Descrição de chapéu Donald Trump alimentação

Empresas americanas querem mais negócios no Brasil, diz cônsul dos EUA

Alta do dólar e maior otimismo com mercado brasileiro atraíram investidores do país

Ricardo Zuniga, cônsul-geral dos EUA no Brasil
Ricardo Zuniga, cônsul-geral dos EUA no Brasil - Bruno Poletti/Folhapress
Tatiana Vaz
São Paulo

Nos dois últimos anos, a presença de produtos americanos importados tem aumentado nas gôndolas de supermercados e nos cardápios de restaurantes brasileiros, diz o cônsul-geral dos Estados Unidos em São Paulo, Ricardo Zuniga.

Ainda assim, a demanda pelo consumo é muito maior e há cada vez mais interesse de empresas americanas em começarem a fazer negócios no Brasil. 

“Vemos oportunidades em vários segmentos do agronegócio, especialmente no setor de carnes”, diz Zuniga, durante evento na maior feira de supermercado do mundo, a Apas, que acontece nesta semana na capital paulista. 

De acordo com o cônsul, há cinco anos companhias de processamento de carnes se preparavam para começar as importações para o Brasil. As primeiras vendas, no entanto, começaram há 18 meses, pela operação americana da JBS.

Hoje, além da JBS EUA, seis empresas já fornecem ao mercado brasileiro, entre elas a Creekstone, Tysons e Quirch. 

Elas exportam para o país principalmente partes dos animais que não tem tanta saída no mercado americano, como picanha, maminha e fígado. E acabam importando outros cortes que são mais consumidos por lá. 

“Mas é importante lembrar que a maneira como o gado é alimentado nos Estados Unidos, com milho, concede mais maciez e menos gordura à carne, que tem um sabor diferente”, afirma Clay Hamilton, ministro conselheiro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.  

A alta da moeda americana frente à moeda brasileira e o otimismo com a retomada da economia do país estão entre os motivos que têm atraído investidores americanos para o Brasil. 

Em 2017, os Estados Unidos exportaram cerca de R$ 5,1 bilhões em produtos agroindustriais para o Brasil, desde commodities a produtos para o consumidor final. Bebidas e alimentos vindos do mercado americano representaram R$ 870 milhões em vendas, com itens que incluem vinhos, chocolates, cervejas e produtos lácteos. 

Em relação às sobretaxas impostas por Trump e que hoje estão em negociação com o governo brasileiro, ele diz que não há preocupação, uma vez que seria bem comum Brasil e Estados Unidos terem de chegar em acordos, que sempre são bem-sucedidos, como ocorreu no caso do etanol.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.