França diz que firmou acordo com caminhoneiros e anuncia retomada do abastecimento de postos em SP

Segundo o governador, abastecimento deve voltar ao normal nos próximos dias

 Márcio França diante de jornalistas após reunião em Brasília
O governador de SP Márcio França após reunião em Brasília - Pedro Ladeira - 19.abr.2018/Folhapress
Wálter Nunes Gustavo Fioratti
São Paulo

O governador do estado de São Paulo, Márcio França (PSB), firmou um acordo com um grupo de 13 caminhoneiros identificados como lideranças dos protestos da categoria e a promessa é de que a manifestações cheguem ao fim.

Segundo França os caminhões que transportam combustível voltaram à estrada e o abastecimento deve voltar ao normal nos próximos dias. 

"Já estamos com as refinarias abertas", disse França. São cinco as refinarias em atividade. "Vamos com isso garantir a retomada dos postos de gasolina do estado de São Paulo pelo menos. Isso significa que os postos daqui a pouco vão estar abastecidos para poder fornecer às pessoas." 

Já quanto ao abastecimento no setor de alimentos, o governador estimou que deve demorar um pouco mais e não deu previsão para a volta à normalidade. 

Caminhoneiros reunidos na Régis Bittencourt recebem com ceticismo a notícia sobre o acordo. Os manifestantes dizem que não vão encerrar a paralisação até que o governo federal publique no diário oficial congelamento de seis meses do preço do diesel a R$ 2,98 em São Paulo, que seria o preço praticado há dois meses, segundo os caminhoneiros.

Segundo o advogado Cleber dos Santos Teixeira, que acompanhou reunião na noite de ontem entre caminhoneiros e o governador Márcio França, o governo federal perdeu credibilidade junto à classe. "A medida provisória [que estabelece redução de R$0,46 no litro do diesel por dois meses] pode cair e caducar se não passar pelo Congresso. Se não há uma solução, passados 60 dias essa crise pode voltar ainda pior", diz. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.