Descrição de chapéu greve dos caminhoneiros

Quilo da batata na Ceasa vai de R$ 1a R$ 17 na semana

Comerciantes na Ceagesp relatam que quilo da batata 10 vezes mais caro

Sheila Vieira
S√£o Paulo

Em uma semana, o preço do quilo da batata na Ceagesp passou de R$ 1,61 para R$ 17,50. Os legumes e as frutas são os alimentos cujos preços mais foram afetados pela greve dos caminhoneiros.

Pavilhão das hortaliças esvaziado na Ceagesp, em SP
Pavilhão das hortaliças esvaziado na Ceagesp, em SP - Dhiego Maia/Folhapress

O maior entreposto atacadista de alimentos da América Latina teve uma sexta-feira (25) de poucas vendas abertas, escassez de produtos e muitas incertezas sobre o reabastecimento das mercadorias.

A Ceagesp parou de divulgar a cotação oficial dos produtos na quinta-feira (24), esperando a normalização do comércio.

A Folha apurou os preços diretamente com os comerciantes presentes no local.

O normalmente popular corredor das batatas estava com quase nenhum movimento por volta das 14h.

"Eu costumava vender 200 sacos por dia, hoje vendi apenas 30", afirmou o vendedor Ademar Moraes.

Entre os vendedores, a cotação da batata ficou por volta de R$ 17,50 por quilo, mas um deles, que preferiu não se identificar, disse à Folha que estava pedindo R$ 500 pela caixa, equivalente a R$ 25 por quilo.

Comerciante de batatas e cebolas, Marcos Reis disse que a falta de mercadorias est√° afastando os clientes da Ceagesp. "Nem o pessoal da feira vem mais", lamentou.

Além de enfrentarem dificuldades para venderem seus estoques por preços maiores, os comerciantes também temem a iminente falta de mercadorias na próxima semana.

"Se continuar assim, na segunda-feira eu n√£o tenho mais nada para oferecer para os meus clientes", contou Reis.

A chegada e partida de feirantes e outros compradores com m√£os vazias foi cena recorrente no entreposto.

Sidinei Tavares dos Santos, um dos principais vendedores de legumes da Ceagesp, diz que seu estoque deve durar até a segunda-feira (28).

"Os clientes me ligam e eufalo que nem adianta vir para cá, porque é uma viagem perdida. Falo o que eu tenho e o que não tenho, paciência", comentou o comerciante.

Em seu espaço no Ceagesp, a caixa com 20kg de tomates custava entre R$70 e R$80.

Quando um comprador ouviu o preço e se afastou, Santos tentou convencê-lo. "Faço por R$ 65", ele disse, sem sucesso.

A cenoura também está em falta, e o seu preço saltou de R$ 1,74 para R$ 4,50. Outro alimento que subiu significativamente de custo foi a vagem, de R$ 2,30 para R$ 6.

"O que não está faltando, como beterraba e pimentão, estamos vendendo no preço normal. Mas quando não tem mais, não tem jeito de segurar o valor", afirmou Santos.

O pre√ßo das frutas tiveram alta significativa, principalmente as vindas de outros estados e pa√≠ses, que est√£o paradas em caminh√Ķes que n√£o conseguem chegar √† Ceagesp ou foram descartadas pelos caminhoneiros nas estradas.

O quilo da laranja saltou de R$ 1,69 para R$ 4 em uma semana. A uva nacional quase triplicou de preço, de R$ 4,51 para R$12.

Comerciantes tamb√©m relataram a falta de mam√Ķes papaia e formosa, de abacaxi, de maracuj√°, de manga, de melancia, de mel√£o e de lim√£o.

Mesmo encarando prejuízos por conta de mercadorias descartadas, os comerciantes não criticaram o movimento dos caminhoneiros.

"Entendemos que algo assim prejudica todo mundo, mas os caminhoneiros estão certos. Não tem como a gente produzir combustível, cobrar caro aqui e vender barato para o exterior. O governo precisa ter bom senso", disse Santos.

NOS MERCADOS

Nos supermercados, os preços seguem estáveis, mas as prateleiras começam a ficar sem alimentos essenciais, como carne e ovos.

No mercado O Dia, no bairro da Santa Cecília, no centro de São Paulo, os clientes não encontravam mais ovos, e a oferta de batatas e outros legumes era pequena.

Mesmo assim, n√£o havia correria para garantir mantimentos.

"Não vim fazer compras por causa da greve, mas confesso que nunca vi uma coisa dessas no país, nem nos anos 80", disse a professora aposentada Milthes Mendes.

No Extra Anhanguera, localizado no bairro da Vila Leopoldina, na zona oeste da capital, funcion√°rios relataram que o mercado recebeu sua √ļltima carga de carnes na quarta-feira (23), e n√£o h√° previs√£o de reposi√ß√£o.

Os preços estão sendo mantidos, mas eles admitiram que devem aumentar assim que os estoques ficarem menores.

A Abras (Associação Brasileira de Supermercados) divulgou nota à imprensa nesta sexta afirmando que a maioria das lojas trabalha com estoque médio de produtos não perecíveis e a falta se concentra nos perecíveis.

A entidade também comentou que, em caso de término da greve, a normalização do abastecimento dos mercados deve ocorrer entre cinco e 10 dias.

Tópicos relacionados

Coment√°rios

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.