Bancos ampliam serviço pelo celular com Apple Pay e também WhatsApp

Clientes do Bradesco e do BB terão acesso a pagamentos com Apple Pay a partir de julho

Tássia Kastner
São Paulo

Clientes do Bradesco e do Banco do Brasil terão acesso a pagamentos com o Apple Pay a partir do próximo mês, quando vencerá o acordo de exclusividade de 90 dias da companhia americana com o Itaú. O serviço entrou em operação no dia 4 de abril.

Lançado em 2014, o Apple Pay está disponível em mais de 20 países e permite que clientes paguem compras no comércio aproximando o iPhone da maquininha de cartão. Google e Samsung têm sistemas semelhantes disponíveis também no Brasil. Procurados, Apple, Bradesco e Banco do Brasil não comentaram.

A expansão do Apple Pay é vista como uma alavanca para a formação de um mercado de pagamentos por smartphones, mesmo com a baixa participação de iPhones no mercado brasileiro. Usuários de smartphones da Apple são considerados formadores de tendência.

Segundo dados da consultoria Kantar World Panel, 93% dos smartphones vendidos no país no primeiro trimestre do ano tinham o sistema operacional Android (do Google), enquanto 5,8% eram da Apple.

Além disso, a tecnologia NFC (Near Field Communication), necessária para o pagamento por aproximação, começou a chegar a smartphones de preços intermediários da Motorola e Samsung apenas mais recentemente, o que restringiu o alcance dos serviços concorrentes, lançados antes. Modelos mais simples não têm a tecnologia.

Para contornar a base restrita de aparelhos, os bancos investem em alternativas.

Bradesco, BB e Santander vendem pulseiras, relógios e adesivos que permitem pagar por aproximação. Assim, tentam formam uma base de usuários dispostos a fazer pagamentos no comércio sem o cartão físico e senha.

As instituições financeiras também avançam sobre os aplicativos mais utilizados pelos brasileiros com serviços.

Na semana passada, o Banco do Brasil anunciou que será possível fazer consultas via WhatsApp e Twitter. O sistema, no entanto, exige login e senha fora do aplicativo.

O Itaú lançou um teclado (como um de emojis) que permite a realização de transferências de dinheiro sem abrir o aplicativo do banco no celular. Mesmo assim é preciso informar agência e conta do destinatário e pagar pela operação. Uma transferência online para outro banco custa R$ 10,20, se o cliente não tiver TEDs no pacote de serviços contratado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.