'Crise provou que monopólio da Petrobras não serviu de nada', diz Maia

Presidente da Câmara afirma que estatal deve existir, mas em 'tamanho menor'

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Pedro Ladeira/Folhapress
Marina Dias
Brasília

Pré-candidato ao Palácio do Planalto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira (6) que a greve dos caminhoneiros, que gerou uma grave crise de desabastecimento no país, provou que a estratégia de monopólio da Petrobras —de controle sobre a cadeia de produção e distribuição de petróleo em território nacional—  "não serviu de nada". 

Maia não defende a privatização da Petrobras, mas diz que uma das possíveis soluções para a crise de combustível é que a empresa continue existindo, porém, com menor tamanho e disposta a concorrer com o setor privado.

"Essa crise provou que a questão estratégica da Petrobras ter todo o sistema, toda a cadeia, inclusive a distribuição, não serviu de nada. Acho que a Petrobras pode continuar existindo, num tamanho menor, participando do mercado, como estatal, concorrendo com o setor privado", disse Maia durante sabatina com os pré-candidatos à Presidência promovida pelo jornal Correio Braziliense.

Ele criticou o que chama de "incapacidade do governo" do presidente Michel Temer de reduzir as alíquotas que incidem sobre os combustíveis para diminuir o preço nas bombas. Para ele, isso mostra a "falência do Estado".

Maia tinha proposto, no início da crise, zerar o PIS-Cofins sobre o diesel, mas foi logo informado pela Receita Federal de que havia errado nas contas e que a perda para a União com a medida seria de R$ 14 bilhões, e não R$ 3,5 bilhões até o fim deste ano, como ele havia previsto, o que o fez recuar.

Nesta quarta, o presidente da Câmara foi ainda questionado por jornalistas sobre a possibilidade de privatização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal e afirmou que, apesar de se considerar liberal na economia, não é favorável, neste momento, à venda dos bancos.

"No momento atual, o país não deveria pensar em privatizar o Banco do Brasil. O sistema financeiro precisa passar por uma grande reforma, uma desregulamentação", declarou. O deputado avalia que há uma concentração no setor e que a Caixa "precisa encontrar seu nicho", mas ponderou que a privatização, agora, não seria a solução.

Por fim, Maia comentou a tentativa de privatizar a Eletrobras, uma das principais bandeiras do governo de Michel Temer, emperrada no Congresso.

De acordo com o presidente da Câmara, a empresa "pode ser privatizada",mas afirmou que isso poderia ser feito de maneira "mais pulverizada".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.