Efeito de cobrança de bagagem despachada nos voos só será conhecido em 2022, diz Anac

Passagens aéreas subiram 7,9% no primeiro trimestre na comparação com o começo de 2017

São Paulo | Reuters

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) disse que só poderá medir o efeito da permissão de cobrança das bagagens despachadas sobre as passagens aéreas a partir de 2022. 

Companhias aéreas diziam que as passagens ficariam mais baratas, caso pudessem cobrar por extras. No entanto, voar está mais caro.

"É preciso tempo, uma série robusta de dados para isso. É preciso aguardar o mercado se adaptar ao novo ambiente regulatório. É preciso tempo", disse o gerente de acompanhamento da Anac, Cristian Reis.

As companhias aéreas começaram a cobrar pela bagagem em meados do ano passado. Além das malas, as empresas também passaram a tarifar outros serviços, como reserva antecipada de assento no voo.

No primeiro trimestre deste ano, as tarifas aéreas ficaram 7,9% no primeiro trimestre deste ano na comparação com igual período de 2017. A alta já desconta a inflação do período, segundo a Anac.

O preço médio das passagens domésticas foi de R$ 361, acima dos R$ 334,49 do primeiro trimestre do ano passado.

Segundo a agência, pesaram nas tarifas a alta do dólar (+3,2%) e do querosene de aviação, que avançou 18,5% no período da comparação.

Passageiros despacham malas no aeroporto de Guarulhos (SP) - Joel Silva/ Folhapress

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.