Juíza autoriza concessão de nova licença de operação à Uber em Londres

Licença foi suspensa em 2017; empresa ganhou autorização para operar por 15 meses

Aplicativo da Uber com Londres ao fundo
Aplicativo da Uber com Londres ao fundo - Henry Nicholls/Reuters
Londres

A Uber recebeu nesta terça-feira (27) uma nova licença para operar em Londres, após uma juíza avaliar que a empresa fez as mudanças necessárias para voltar a ser considerada apta a operar o serviço de transporte urbano por aplicativo na capital britânica. A licença de operação da empresa tinha sido revogada no ano passado.

O regulador de transportes de Londres (TfL, na sigla em inglês) se recusou em setembro a conceder à empresa americana uma licença que permitiria à Uber operar na cidade por mais cinco anos, citando falhas em procedimentos para denúncia de crimes e verificações de antecedentes dos motoristas.

A Uber foi ao tribunal nesta segunda-feira (25) para reverter a situação. Esperava obter uma autorização de 18 meses para provar às autoridades que mudou, mas  a juíza Emma Arbuthnot, responsável pelo caso, já havia sinalizado anteriormente que qualquer renovação seria por um período mais curto.

Arbuthnot decidiu nesta terça-feira (27) que o aplicativo poderá operar em Londres com uma licença de 15 meses, sujeita a condições estritas.

A companhia admitiu que a decisão do TfLde negar sua licença em 2017 foi correta, mas disse que alterações em sua política e em sua equipe justificam a concessão de uma nova autorização.

A empresa fez várias mudanças em seu modelo de negócios na cidade desde a perda de sua licença, incluindo a introdução de suporte por telefone 24 horas por dia, 7 dias por semana, e relatórios proativos de incidentes à polícia da cidade. A Uber também mudou seus diretores e pediu desculpas por erros.

Para  Uber estava em jogo um dos seus mais cruciais mercados estrangeiros. Dos seus mais de 60 mil condutores na Grã-Bretanha, cerca de 45 mil estão em Londres. 

A companhia, avaliada em mais de US$ 70 bilhões, tem enfrentado protestos, proibições e restrições em todo o mundo enquanto desafia operadores tradicionais e irrita sindicatos. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.