Uso do Facebook para notícias cai entre os mais jovens

Pesquisa da Reuters ouviu 74 mil pessoas em 37 países

O uso do Facebook para ler notícias começou a cair nos Estados Unidos, principalmente entre os mais jovens, segundo pesquisa da Reuters.

De acordo com o levantamento  —que ouviu 74  mil pessoas, entre 18 e 55 anos, em 37 países— aplicativos de mensagem como o WhatsApp têm substituído a rede social como meio para se informar principalmente entre os mais jovens. O uso Facebook caiu 9% entre o público adulto e 20% entre os mais novos, em relação a 2017.

Rapazes russos usam o celular em praça de Moscou, na Rússia - AFP

"O uso da mídia social para leitura de notícias começou a cair em vários mercados importantes após anos de crescimento contínuo", disse Nic Newman, pesquisador do Instituto de Estudos de Jornalismo da Reuters.

Os entrevistados foram ouvidos antes de o Facebook mudar seu algorítimo, que passou a mostrar mais posts de amigos e familiares do que dos meios de comunicação. 

Paralelamente, o WhatsApp e o Instagram, também uma unidade do Facebook, decolaram na América Latina e na Ásia, enquanto o Snapchat progrediu na Europa e nos Estados Unidos, de acordo com a pesquisa sobre diferenças regionais de compartilhamento de notícias.

O levantamento também aponta que no mundo todo menos da metada dos entrevistados confiam na mídia a maior parte do tempo. Nos EUA, esse número cai para 34%.

Quando questionados sobre quais os veículos de maior credibilidade, os norte-americanos citaram os canais de TV e o Wall Street Journal. No Reino Unido, as redes BBC e ITV foram as escolhidas. 

Jornais e canais de TV mais tradicionais e antigos são mais confiáveis do que os jornais populares e veículos criados na era digital, de acordo com a pesquisa. 

"O veredicto é claro: as pessoas acham que vale a pena pagar algumas notícias, mas grande parte não é", disse Rasmus Kleis Nielsen, diretor de pesquisa do Instituto Reuters.

Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.