Estados Unidos e União Europeia concordam em negociar para aliviar tensões comerciais

Declaração conjunta foi divulgada após reunião entre Trump e Juncker em Washington

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Jean-Claude Juncker (à esq.) e Donald Trump em entrevista coletiva de imprensa na Casa Branca, nesta quarta-feira (25) - AFP
Shawn Donnan
Washington | Financial Times

Estados Unidos e União Europeia vão iniciar novas negociações para amenizar as tensões cada vez mais intensas no comércio transatlântico, de acordo com Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, e Jean-Claude Juncker, presidente da União Europeia.

Em declaração conjunta divulgada depois de reuniões na quarta-feira em Washington, os dois líderes anunciaram que haviam chegado a um acordo quanto a trabalharem juntos para a eliminação de todas as tarifas, barreiras comerciais e subsídios relacionados a bens industriais não-automobilísticos.

Também afirmaram que trabalhariam juntos para a reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), e para a redução do custo de transações e das barreiras regulatórias dos dois lados do Atlântico.

Embora nenhum dos líderes tenha mencionado diretamente o comércio internacional de automóveis, Juncker disse que os dois lados concordaram em suspender quaisquer novas tarifas durante as negociações. Trump vinha ameaçando impor tarifas de até 25% sobre os carros e autopeças importados de qualquer parte do mundo, e a União Europeia era um de seus principais alvos.

O acordo quanto a realizar novas negociações parece vago. Mas Trump disse que a União Europeia havia concordado em começar "quase imediatamente" a comprar "muito mais" soja americana, uma das principais commodities que a China tomou como alvo em resposta às tarifas impostas pelos Estados Unidos. O bloco também se tornaria comprador "maciço" de gás natural liquefeito americano.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.