Após dólar bater R$ 4, economistas elevam projeção de câmbio e inflação em 2018

Pesquisa Focus, do Banco Central, aponta ainda perspectivas para taxas de juros e PIB

Anaïs Fernandes
São Paulo

Economistas elevaram suas projeções para a inflação em 2018, diante da perspectiva de um dólar mais alto no fim do ano, de acordo com pesquisa Focus, do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira (27).

A expectativa para a taxa de câmbio em 2018 passou de R$ 3,70 para R$ 3,75. A última vez que houve um aumento de cinco centavos nas projeções foi em 29 de junho, após o dólar disparar acima de R$ 3,90 naquele mês e forçar uma intervenção mais firme do Banco Central.

Para o próximo ano, foi mantida a expectativa de um câmbio a R$ 3,70.

Na sexta-feira (24), o dólar fechou na maior alta semanal desde novembro de 2016, após ultrapassar a barreira dos R$ 4 no fechamento de terça (21), algo que não acontecia há cerca de dois anos e meio.

Com maior pressão no câmbio, especialistas reviram também as perspectivas para o IPCA, inflação oficial do país, calculado agora em 4,17%, contra 4,15% na semana passada. Há um mês, a expectativa era de 4,11%. 

O centro da meta inflacionário do governo para 2018 é de 4,50% e de 4,25% no próximo ano. Ambos têm uma margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

No acumulado de 2018 até julho, o IPCA avançava 2,94%. Mas, em 12 meses, a alta já está em 4,48%.

Apesar da aceleração do câmbio e uma eventual pressão no IPCA, o nível ainda baixo da inflação fez especialistas manterem a projeção de uma Selic (taxa básica de juros) estável na mínima histórica de 6,50% até o fim do ano. Para 2019, a previsão também prevalece em 8%.

A magnitude do impacto do câmbio na inflação divide economistas.

Para André Perfeito, economista-chefe da Spinelli Corretora, a alta do dólar vai impactar os preços e ameaça levar a inflação para cima do centro da meta estabelecida pelo governo.

"O dólar vai bater na inflação. Eu vejo um IGP-M [índice de preços usado como base para reajuste dos principais contratos de locação] em 8% ao ano, em parte pelo câmbio também", afirma.

Segundo ele, a aceleração da moeda americana tende a forçar o BC a aumentar os juros na reunião logo após o segundo turno das eleições, nos dias 30 e 31 de outubro.

Na conta de Alessandra Ribeiro, sócia e diretora da área de macroeconomia e política da consultoria Tendências, uma depreciação cambial de 10% eleva em 0,4 ponto percentual a inflação e o repasse costuma acontecer um trimestre após a alta.

"Mas, como a economia está fraca e a recuperação, moderada, o repasse tem se mostrado mais limitado. As empresas preferem reduzir margem do que passar isso para o preço final. E mesmo que haja um repasse um pouco maior, a inflação bateria 4,25%, ou seja, dentro da meta", afirma.

Em relação ao crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para o ano, houve ajuste no Focus para baixo, de 1,49% para 1,47%. A expectativa de expansão de 2,50% em 2019 foi mantida.

O PIB do segundo trimestre será divulgado nesta sexta-feira (27). Analistas ouvidos pela agência Bloomberg projetam um avanço de 0,1% na comparação trimestral.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.