Ciro propõe que Banco Central adote uma dupla meta

Em esboço de programa, ele defende que, além da taxa de inflação, dados de desemprego sejam levados em consideração

Gustavo Uribe Mariana Carneiro
Brasília

O candidato do PDT à sucessão presidencial, Ciro Gomes, propõe alterar o atual regime de metas de inflação, um dos pilares do chamado tripé macroeconômico, em vigor desde o final dos anos 1990.

Em pré-programa de governo, apresentado à Justiça Eleitoral, ele defende que o Banco Central deve perseguir, além da inflação, uma meta de emprego na definição da taxa de juros.

Hoje, a autoridade monetária tem uma única meta formal, que é o cumprimento da taxa de inflação fixada anualmente pelo Conselho Monetário Nacional.

"O Banco Central terá duas metas: a taxa de inflação e a taxa de desemprego, como ocorre nos Estados Unidos", afirma.

Em entrevista à Folha, em junho, o coordenador político da campanha eleitoral, Cid Gomes, havia defendido alteração no tripé macroeconômico.

"É fundamental ou alterar o tripé macroeconômico ou acrescentar um quarto pé, que seria geração de emprego. No mínimo, câmbio e juro serão observados levando em conta a geração de emprego", disse.

No documento, ele também propõe a alteração do Conselho Monetário Nacional, ampliando a sua composição, mas sem detalhar para quantos integrantes. 

Hoje, ele é formado pelos ministros da Fazenda e Planejamento e pelo presidente do Banco Central.
O candidato também propõe a recriação do fundo soberano, que foi extinto neste ano, e a "participação ativa" do Banco do Brasil e da Caixa Econômica na redução do spread bancário.

Como tem sinalizado em declarações públicas, Ciro propõe uma redução inicial de 15% nas atuais desonerações tributárias e propõe benefícios ao setor industrial, como isenção de tributos na aquisição de bens de capital e a redução do imposto de renda da pessoa jurídica.

O documento divulgado na noite desta sexta-feira (10) é uma espécie de prévia do programa de governo do candidato. A expectativa é de que ele seja finalizado em setembro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.