Eletrobras vive semana decisiva para viabilizar venda de distribuidoras

Leilão depende de projeto de lei que Senado prometeu engavetar; governo tentará última cartada

Taís Hirata
São Paulo

Esta semana será decisiva para o futuro das distribuidoras da Eletrobras: trata-se da última janela, antes das eleições de outubro, para aprovar o projeto de lei que viabiliza a venda das empresas ao setor privado, segundo analistas do setor.

A princípio, o leilão para privatizar as distribuidoras do Amazonas, de Roraima, de Rondônia e do Acre está previsto para 30 de agosto

Para atrair investidores, porém, o mercado considera necessário aprovar um projeto de lei que transfere dívidas bilionárias das empresas para a conta de luz do consumidor. A medida seria uma forma de evitar um cenário ainda pior: a liquidação das companhias. 

O texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, mas resta o aval do Senado, que prometeu travar o projeto, juntamente com outras pautas polêmicas do governo de Michel Temer. 

O objetivo do MME (Ministério de Minas e Energia) era, logo no início de agosto, dar caráter de urgência ao projeto para acelerar a tramitação. No entanto, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, afirmou que não houve assinaturas para o requerimento.

Segundo um analista que acompanha as negociações de perto, esta será a última semana possível para sensibilizar os senadores. 

Uma estratégia será negociar com a bancada mineira do PT para auxiliar na busca por assinaturas ao requerimento de urgência do projeto.

O texto, além de viabilizar a venda das distribuidoras, trouxe uma emenda que amplia o prazo de concessão de geradores hidrelétricos, com objetivo de resolver uma disputa bilionária do setor.

Uma das beneficiadas pela resolução do problema seria a Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais), controlada pelo governo de Minas Gerais —hoje liderado por Fernando Pimentel (PT). 

Das seis distribuidoras colocadas à venda pela Eletrobras, uma já foi vendida: a Cepisa (Piauí), para a Equatorial Energia. 

Além das quatro distribuidoras no Norte do país —cuja venda depende da aprovação do projeto—, há ainda o caso da Ceal, distribuidora de Alagoas. Sua venda está trava por uma decisão liminar do STF (Supremo Tribunal Federal), que impediu a venda após uma ação movida pelo governo alagoano. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.