Sem Canadá, EUA e México fecham acordo preliminar para revisar Nafta

Montadoras precisarão ter de 40 a 45% de carro feito por trabalhador que ganhe US$ 16 por hora

Washington

Os Estados Unidos e o México chegaram a um pacto nesta segunda-feira (27) para substituir o Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte), e as negociações com o Canadá devem começar imediatamente na expectativa de chegar a um acordo final até sexta-feira (31), disse uma autoridade comercial sênior dos EUA.

"Estamos agora convidando os canadenses também e esperamos que possamos chegar a uma conclusão justa e bem-sucedida com eles", disse a autoridade em entrevista.

"Ainda há questões com o Canadá, mas acho que elas podem ser resolvidos rapidamente", disse a autoridade.

O acordo entre os Estados Unidos e o México exigirá que 75% do conteúdo automotivo seja fabricado nos EUA e no México, ante os atuais 62,5%. Também exige que 40% a 45% do conteúdo automotivo seja feito por trabalhadores que ganhem pelo menos US$ 16 dólares (R$ 65,2) por hora, segundo uma segunda autoridade.

Nas últimas semanas, os EUA e México mantiveram conversas para resolver as diferenças em torno da renegociação do tratado. Mas os desacordos na seção sobre energia, a questão do conteúdo regional nos automóveis e uma cláusula de extinção do pacto reclamada pelo governo americano travaram as negociações.

Neste domingo (26), o ministro da Economia do México, Idelfonso Guajardo, disse que as negociações bilaterais entre México e Estados Unidos como parte da renegociação do Nafta (Tratado de Livre Comércio da América do Norte) estavam "nas últimas horas".

"Praticamente estamos nas últimas horas dessa negociação. Vejamos como avança o dia", disse Guajardo ao chegar ao escritório do representante comercial dos EUA em Washington e começar outro dia de negociações entre os dois países.

O presidente americano Donald Trump escreveu em sua conta do Twitter nesta segunda (27) que "um grande acordo com o México está parecendo bom!"

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.