China registra superávit comercial recorde com os EUA e alimenta guerra comercial

Resultado de agosto foi de US$ 31,05 bilhões, contra US$ 28,09 bilhões em julho

Pequim | Reuters

O superávit comercial da China com os Estados Unidos aumentou para um recorde em agosto mesmo que o crescimento das exportações do país tenha desacelerado ligeiramente, resultado que pode levar o presidente americano, Donald Trump, a elevar ainda mais o tom em sua disputa comercial.

O superávit atingiu US$ 31,05 bilhões (R$ 126 bilhões) em agosto, contra US$ 28,09 bilhões (R$ 114 bilhões) em julho, mostraram dados da alfândega neste sábado, superando o recorde anterior registrado em junho.

Nos primeiros oito meses do ano o superávit da China com seu maior mercado de exportação aumentou quase 15%, ampliando as tensões na relação comercial entre as duas maiores economias.

O crescimento anual das exportações da China moderou ligeiramente para 9,8%, mostraram os dados, a taxa mais fraca desde março mas apenas ligeiramente abaixo da tendência recente.

 
O número ficou abaixo da expectativa de analistas de que os embarques do maior exportador do mundo subissem 10,1%, e desaceleraram sobre a taxa de 12,2% de julho.

Mesmo com as tarifas dos EUA sobre US$ 50 bilhões (R$ 203 bilhões) em exportações chinesas em vigor pelo primeiro mês completo em agosto, as exportações da China para os EUA ainda aceleraram, crescendo 13,2% sobre o ano anterior, de 11,2% em julho.

“Ainda existe um impacto de antecipação das exportações, mas a principal razão (para o crescimento ainda sólido das exportações) é o forte crescimento da economia dos EUA”, disse Zhang Yi, economista do Zhonghai Shengrong Capital Management.

As importações da China cresceram 20%, superando a expectativa de aumento de 18,7% mas desacelerando sobre a taxa de 27,3% vista em julho.

Isso resultou em um superávit comercial de US$ 27,91 bilhões (R$ 113 bilhões), contra expectativa de US$ 31,79 bilhões (R$ 129,06 bilhões) e US$ 28,05 bilhões (R$ 113,8 bilhões) em julho.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.