Seca afeta produção e preço de batatas fritas na França

Calor, que chegou a até 37ºC em agosto, causou redução no volume de produção

Wahrhem (França) | AFP

No norte da França, a seca sazonal afetou gravemente a colheita de batatas, e as consequências já se fazem sentir em todo o setor de alimentação, o que inclui os carrinhos de batatas fritas.

A região de Hauts-de-France, uma zona histórica de cultivo de batata que concentra dois terços da produção francesa do produto, passou por uma onda de calor com temperaturas recorde, no recente verão do hemisfério norte.

Como consequência, houve escassez de água na colheita, explicou Régis Dumont, exibindo um tubérculo deformado em um campo em Warhem, a três quilômetros da fronteira belga.

As batatas perderam parte de seu amido, o que afeta a qualidade e compromete a conservação, disse o agricultor.

Fazendeiro mostra batatas com tubérculos deformados devido às altas temperaturas
Fazendeiro mostra batatas com tubérculos deformados devido às altas temperaturas - Philippe Huguen/AFP

À medida que se aproxima o fim da colheita, os agricultores se preocupam com a qualidade da safra. Além disso, o calor –que chegou a até 37ºC em agosto– causou redução no volume de produção. Na fazenda de sua família, Dumont, 65, expressa preocupação por as reservas serem menores que as do ano passado.

"Vimos uma queda importante, de entre 10% e 15%, no rendimento das áreas plantadas na França, ante a média dos cinco anos anteriores", confirmou François Xavier Broutin, da União Nacional dos Produtores de Batatas (UNPT, na sigla em francês).

E devido à escassez de água, as batatas "são pequeníssimas, o que vai prejudicar o mercado e a renda dos agricultores", disse Dumont.

Banhos de sal

Entre os afetados pela seca estão a indústria de processamento de batatas e os vendedores de batatas fritas, um dos produtos mais populares da região.

Como os demais pesos pesados do setor, a McCain, que vende batatas congeladas, teve que se adaptar.

"Realizamos banhos de sal ao receber a mercadoria, para eliminar as batatas defeituosas", explicou Christian Vanderheyden, um dos dirigentes da empresa na França.

"Isso exige equipamento e acarreta custo adicional", ele disse.

Os tradicionais carrinhos ou trailers de batatas fritas, presentes em praticamente todas as cidades da região, viram aumento nos preços do produto.

Mickaël Orgaer, empregado de um desses carrinhos, registrou "aumento de 23% no preço de um saco de cinco quilos de batatas".

Batatas feitas em cone de papel
Tradicionais carrinhos ou trailers de batatas fritas viram aumento nos preços do produto - Philippe Huguen/AFP

"É muito alto. Já havíamos passado por pequenos aumentos, mas nunca por algo tão forte", afirmou Orgaer, 47, enquanto esquentava o óleo em seu caminhão, que vende batatas na cidade de Steenvoorde.

Ele conta que teve de aumentar em € 0,20 (R$ 0,84) o preço de suas porções de batatas. "Tentamos explicar aos clientes, e eles em geral entendem", disse Orgaer.

Mas ele lamenta a queda na qualidade do produto. "Como não estão maduras, essas batatas vêm aguadas. E seu tamanho resulta em fritas muito pequenas".
 

Um fenômeno europeu

O fenômeno não se limita à França. "Os cinco países que formam o mercado europeu - Alemanha, Bélgica, França, Holanda e Reino Unido - registraram problemas de faturamento e de qualidade. Ninguém conseguiu escapar das consequências meteorológicas", disse Broutin.

"A estimativa é de que a produção chegará a um máximo de 24 milhões de toneladas. No ano passado, foi de mais de 29 milhões de toneladas", ele acrescentou.

E o aquecimento global não é causa de otimismo."É um fenômeno anormal, mas que começa a se repetir a cada ano", aponta Dumont, deixando escorrer por entre os dedos um punhado de terra seca.
 
Tradução de PAULO MIGLIACCI

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.