Paulo Guedes quer sincronizar abertura comercial à redução de impostos

Futuro ministro fala em retomar crescimento com juros baixos, reformas fiscais e desburocratização

Brasília e Rio de Janeiro

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta nesta terça (30) que a fusão dos ministérios da Fazenda e Indústria tem como objetivo reduzir a carga tributária sincronizada com uma política de abertura comercial.

Segundo Guedes, a abertura deverá ser gradual para não prejudicar a indústria brasileira que em sua avaliação, está entrincheirada, tentando se proteger da competição externa com a ajuda de incentivos tributários e subsídios.

 
 
000
Paulo Guedes (à esq.), Gustavo Bebiano (centro) e Onyx Lorenzoni (à dir.) durante entrevista coletiva em frente a casa de Paulo Marinho, no jardim Botânico, após reunião com Bolsonaro - Avener Prado/Folhapress

"Quem tem lobby consegue desoneração e quem não tem vai para o Refis [programa de renegociação de dívidas tributárias]", disse.

A redução da carga tributária e a simplificação dos impostos teria como objetivo interromper esse círculo vicioso e permitir o ganho de competitividade por meio da abertura comercial.

"Não vamos fazer uma abertura abrupta para prejudicar a indústria brasileira, ao contrário, vamos retomar o seu crescimento com juros baixos, reformas fiscais e desburocratização", afirmou.

"A razão do ministério da indústria e comércio estar próximo da economia é justamente para isso. Não adianta a turma da Receita ir baixando os impostos devagar e a turma da Indústria abrir muito rápido. Isso tudo tem que ser sincronizado, com uma orientação única".

Guedes afirmou que ainda não começou a tratar de nomes para chefiar as estatais.

 Sobre a subvenção do diesel, o futuro ministro afirmou que uma opção foi elaborada, mas ainda não deu tempo de levá-la ao presidente eleito.

Guedes afirmou que ainda não convidou nomes que estão no governo para ficar. Mansueto de Almeida, secretário do Tesouro, e Marcos Mendes, secretário especial da Fazenda, são cotados para ficar.

Talita Fernandes , Mariana Carneiro e Nicola Pamplona
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.