Setor público tem déficit primário de R$ 24,6 bi em setembro, pior que expectativa

Performance foi puxada pelo desempenho do governo central

Brasília | Reuters

O setor público consolidado brasileiro registrou déficit primário acima do esperado de R$ 24,621 bilhões em setembro, resultado do descasamento entre receitas e despesas, agravado pela obrigatoriedade de alguns gastos pesados como os ligados à Previdência e à folha de pagamento do funcionalismo público.

Em pesquisa da Reuters, a expectativa era de um déficit de R$ 22,7 bilhões para o mês. O rombo também cresceu 15,8% sobre igual mês do ano passado.

A performance foi puxada pelo desempenho do governo central (governo federal, BC e Previdência), negativo em R$ 24,292 bilhões, dado que piorou em relação ao déficit de R$ 22,227 bilhões do mesmo mês de 2017.

 
Folhapress

Ao mesmo tempo, os governos regionais tiveram déficit de R$ 795 milhões em setembro, enquanto as empresas estatais ficaram no azul em R$ 466 milhões.

No acumulado de janeiro a setembro, o setor público consolidado registrou déficit de 59,321 bilhões de reais, queda de 27,8% sobre igual etapa de 2017. Em 12 meses, o déficit foi a R$ 87,794 bilhões, equivalente a 1,29% do PIB (Produto Interno Bruto), ainda distante do alvo fiscal estabelecido pelo governo.

Para o ano, a meta é de um rombo primário de R$ 161,3 bilhões, quinto resultado consecutivo no vermelho. Mas o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, já afirmou que o setor público pode fechar com 2018 com déficit primário de cerca de R$ 125 bilhões.

O chefe do departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, reforçou que o resultado deve sim ficar abaixo da meta, embora não tenha detalhado números.

Questionado sobre a viabilidade de o governo zerar o vultoso déficit primário já no próximo ano, promessa do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), Rocha afirmou que o BC "não tem feito nenhum comentário sobre temas de campanha eleitoral".

Na véspera, o economista Paulo Guedes, que comandará o Ministério da Fazenda na gestão de Bolsonaro, afirmou que o novo governo irá tentar a tarefa, que avaliou ser factível.

DÍVIDA

Em setembro, a dívida pública bruta ficou em 77,2% do PIB, ligeira queda sobre o patamar de 77,3% de agosto, informou o BC.

Já a dívida líquida foi a 52,2% do PIB, aumento de 1 ponto percentual sobre o mês anterior, sendo que a projeção de analistas era de 51,4%.

"Agora em setembro nós tivemos uma apreciação do câmbio, que devolveu um pouco a desvalorização de agosto. Aí tivemos o efeito da apreciação cambial (que diminui em reais o valor das reservas internacionais) e mais o efeito do déficit nominal, fazendo com que a dívida líquida voltasse ao ponto observado anteriormente", disse Rocha, sobre o fato de a dívida ter retornado ao mesmo patamar de julho.

Em setembro, o dólar caiu 0,87%, depois de fechar agosto com alta de 8,46%, com investidores reduzindo posições compradas, que apostam na alta, após Bolsonaro mostrar ampla vantagem sobre o petista Fernando Haddad na corrida ao Palácio do Planalto.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.