Comércio com a China pode ser ampliado, diz Bolsonaro

Presidente eleito recebeu o embaixador Li Jinzhang; ele já questionou o boom de investimentos chineses no Brasil

São Paulo

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta segunda-feira (5) que o comércio com a China poderá ser ampliado em seu governo e que, após uma conversa com o embaixador chinês no Brasil, ficou claro que o país asiático não quer deixar de fazer negócios com o Brasil.

Bolsonaro recebeu o embaixador chinês, Li Jinzhang, na manhã desta segunda.

O presidente eleito Jair Messias Bolsonaro; ele deu entrevista ao apresentador José Luiz Datena
O presidente eleito Jair Messias Bolsonaro; ele deu entrevista ao apresentador José Luiz Datena - Reprodução/Band

“Conversa foi muito boa, protocolar num primeiro momento e depois aprofundamos em algumas coisas. Está na cara que a China não quer deixar de fazer comércio conosco e nem nós para com eles”, disse ele em entrevista à TV Band.

“Não teremos nenhum problema, muito pelo contrário, pode ter certeza que o nosso comércio pode ser até ampliado”, disse Bolsonaro.

O encontro ocorre após uma série de declarações do presidente eleito questionando o boom de investimentos chineses no Brasil.

Desde 2016, companhias chinesas investiram no país ao menos US$ 23,9 bilhões (R$ 89 bilhões), segundo dados da consultora Dealogic, que não levam em consideração as operações cujo valor não foi revelado.

As empresas asiáticas fizeram aquisições bilionárias, principalmente em setores de infraestrutura e energia.

Agora, com a atitude pouco previsível do novo presidente, empresários estão com receio e têm freado seus investimentos no país, à espera do que vai acontecer, segundo Charles Tang, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China.

Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.