Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Diretor do Santander será presidente do BC no governo Bolsonaro

Atual secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, continuará no cargo

Julia Chaib Talita Fernandes
São Paulo e Brasília

O economista Roberto Campos Neto, do Santander, será o presidente do Banco Central no governo de Jair Bolsonaro. O atual secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, continuará no cargo. 

As duas informações foram confirmadas pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta (15).

O economista Roberto Campos Neto aceitou o convite e terá seu nome indicado ao Senado Federal para presidir o Banco Central. Com extensa experiência na área financeira, pós-graduado em economia pela UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles), Campos Neto deixa diretoria do Banco Santander, onde ingressou em 2000.

00
Roberto Campos Neto (à esq.), ex-diretor de tesouraria do Santander, e Mansueto de Almeida, secretário do Tesouro - Divulgação/Folhapress

Campos é executivo do Santander e neto do ex-ministro do Planejamento (1964-1967) e economista Roberto Campos. Figura próxima de Guedes, Campos Neto já era cotado para o cargo, mas foi confirmado nesta quinta-feira.

Para o presidente do Santander, Sérgio Rial, o futuro presidente do BC é um profissional com sólida formação e profundo conhecimento da área econômica. "Desejamos a ele muito êxito no desempenho de sua nova função, tão importante para o desenvolvimento do país."

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) também parabenizou o futuro líder do BC. Em nota, a entidade disse queCampos Neto tem as "qualificações e experiência para desempenhar com sucesso esta missão, na qual contará com a colaboração da Febraban e do setor bancário brasileiro para manter a estabilidade financeira e acelerar desenvolvimento econômico e social do Brasil."

SAÍDA DE ILAN

A opção por Campos Neto foi feita depois que o atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, confirmou que deixará a instituição até o final do ano. Ele era a principal aposta da equipe econômica de Bolsonaro. 

Um membro da campanha eleitoral de Bolsonaro disse no começo do mês que Ilan e Paulo Guedes conversaram após a eleição, mas o assunto se limitou ao projeto de independência do BC, que ambos querem aprovar no Congresso.

O argumento a favor da permanência de Ilan era que o governo Bolsonaro pretendia avançar na institucionalização da independência do BC, com mandatos fixos para presidente e diretores, o que permitiria que ele ficasse no posto até 2020.

Em comunicado, após a confirmação de Campos Neto, o BC informou que o afastamento de Ilan Goldfajn do cargo se dará por motivos pessoais. “O presidente Goldfajn adotará todas as providências para garantir a melhor transição no comando da autoridade monetária e, atendendo a pedido do novo governo, permanecerá no cargo até que o Senado aprecie o nome de Roberto Campos Neto, nos próximos meses.”

Sobre projeto de autonomia do BC que tramita na Câmara, Ilan disse que continuará trabalhando para que o texto seja aprovado ainda neste ano. “A eventual aprovação da lei, com mandatos fixos e intercalados dos membros da sua diretoria (Presidente e Diretores), permitirá um futuro onde as transições do BC e do governo ocorram em momentos distintos, com conhecidos benefícios para a economia.” 

Segundo o banco, a atual diretoria permanecerá à disposição do novo presidente, contribuindo para a continuidade da transição.

MANSUETO

Em relação a Mansueto, havia a dúvida se ele toparia continuar como secretário do Tesouro. O nome dele também era cotado para assumir uma nova secretaria da Fazenda, que pode ser criada na estrutura do ministério que Guedes chefiará.

Com extensa experiência no setor público, tendo passado pelo IPEA e ocupado outros cargos importantes no Ministério da Fazenda, Mansueto é mestre em Economia pela USP e cursou doutorado em Políticas Públicas no MIT.

Com a confirmação, a área econômica do governo Bolsonaro passa a contar com Paulo Guedes como superministro da Economia, Joaquim Levy no comando do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Mansueto de Almeida como secretário do Tesouro e Roberto Campos Neto como presidente do Banco Central.

Prédio do Banco Central em São Paulo
Prédio do Banco Central em São Paulo - Rahel Patrasso/Xinhua
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.