Prisão de Carlos Ghosn é prolongada até 10 de dezembro

Segundo agência, a investigação demonstra que as omissões podem ter começado em 2009

Tóquio (Japão)

Carlos Ghosn continuará na prisão depois que um tribunal de Tóquio aceitou nesta sexta-feira (30) estender até 10 de dezembro a detenção do ex-presidente da Nissan, suspeito de malversação e sonegação de renda. 

A Procuradoria obteve um prazo adicional de dez dias para investigá-lo, segundo a imprensa local, um procedimento habitual no sistema judicial japonês.

Em 10 de dezembro, Ghosn –destituído de seu cargo de presidente dos conselhos de administração da Nissan e Mitsubishi Motors, mas continua sendo presidente executivo da Renault– será libertado sem acusações ou será acusado.  

Nesse último caso, Ghosn, de 64 anos, pode ser colocado em liberdade até o julgamento ou mantido em detenção.

Por enquanto, o ainda dirigente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi Motors é suspeito de ter ocultado 1 bilhão de ienes (R$ 34 milhões) anuais entre abril de 2010 e março de 2015, em documentos públicos remetidos pela empresa às autoridades financeiras japonesas.

No entanto, segundo uma fonte próxima do caso, a investigação demonstra que as omissões podem ter começado em 2009 e continuaram até o ano passado.

As investigações podem ser ampliadas a outros anos, ou a outros motivos, já que a Nissan acusa seu ex-diretor de abuso de bens sociais, como a utilização de residências de luxo da companhia.

Ghosn, que tem nacionalidade francesa, libanesa e brasileira, nega qualquer malversação.

AFP
Erramos: o texto foi alterado

O valor correspondente a 1 bilhão de ienes é R$ 34 milhões e não R$ 34 bilhões como afirmado em versão anterior do texto.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.