André Esteves volta ao grupo de controle do BTG Pactual

Em julho, banqueiro foi absolvido da acusação de comprar silêncio de ex-diretor da Petrobras

São Paulo

André Esteves, fundador do Banco BTG Pactual, retornará ao grupo controlador do banco após a absolvição de acusações de corrupção, de acordo com comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) divulgado nesta sexta-feira (8).

O banqueiro André Esteves, que retornará ao bloco de controle do BTG Pactual, que fundou
O banqueiro André Esteves, que retornará ao bloco de controle do BTG Pactual, que fundou - Raquel Cunha - 4.mai.15/Folhapress

Esteves foi preso em novembro de 2015, na Operação Lava Jato, depois que promotores o acusaram de tentar comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Ele foi forçado a deixar seu cargo de presidente-executivo e trocar suas ações com direito a voto por ações preferenciais após sua prisão. Um juiz federal o absolveu em julho.

O BTG também disse que Marcelo Kalim, um dos maiores sócios do banco depois de Esteves, deixará o grupo de controle e sua posição como presidente.

Kalim e antigos parceiros do BTG fundaram a startup digital C6Bank.

O ex-ministro da Justiça Nelson Jobim, que já é sócio e diretor do BTG, assumirá a posição de Kalim.

O grupo controlador do BTG, formalmente conhecido como G7 Holding para se referir ao número anterior de sócios, passa a ser formado por cinco sócios: o presidente-executivo, Roberto Sallouti, Renato Santos, Antônio Porto, Guilherme Paes e André Esteves.

O BTG afirmou no comunicado que nenhum sócio terá participação maior que 30% até dezembro de 2022, sem fornecer mais informações. O banco não se pronunciou sobre o assunto.

Após a investigação da corrupção, o BTG foi forçado a cortar empregos e perder ativos. Esteves retornou ao banco em abril de 2016, mas apenas como consultor sênior.

O diretor financeiro, João Dantas, disse em agosto que o retorno de Esteves seria gradual e que o BTG queria evitar erros cometidos no passado.

Reuters

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.