Após investir em energia, chineses miram saneamento básico no Brasil

Grandes empresas começam a analisar setor para adquirir ativos em água, esgoto e resíduos

Taís Hirata
São Paulo

Grupos chineses planejam dar os primeiros passos no setor de saneamento básico no Brasil, com negociações nos segmentos de água, esgoto e resíduos.

Ao menos três empresas estão interessadas em comprar obras paralisadas na área, segundo analistas.

“Elas têm buscado concessões de médio porte no primeiro momento. A ideia é tatear o mercado antes de fazer investimentos maiores”, diz Daniel Lau, especialista em negócios com a China da KPMG.

A estratégia, afirma ele, seguiria o exemplo das empresas de eletricidade ao entrar no país. Elas começaram com ativos menores e hoje têm participação relevante.

Desde 2016, companhias chinesas investiram cerca de R$ 90 bilhões no Brasil, principalmente nas áreas de energia elétrica, óleo e gás. 

0
Ainda durante as eleições, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) recebeu a visita do embaixador da China, Li Jinzhang - Twitter/Divulgação

A CGGC (China Gezhouba Group Company) se tornou pioneira no saneamento ao comprar, em maio, os direitos do consórcio do sistema produtor São Lourenço, responsável por abastecimento de água em São Paulo.

A empresa mira novos ativos, diz um analista.

Outra empresa apontada como interessada em entrar no mercado é a Fosun, que já está no país, na área de finanças. A CCCC, que também tem presença no mercado brasileiro, e a Datang seriam outras que estariam analisando ativos.

Procurado, o grupo Fosun não quis comentar. A CCCC também não atendeu aos pedidos de entrevista. A reportagem não conseguiu contato com a Datang e com a CGGC.

Incertezas como governo Jair Bolsonaro (PSL), que deu declarações críticas sobre investimentos chineses, não deverão afetar o avanço no setor. “Não haverá um impacto grande. O próprio Bolsonaro já suavizou seu discurso”, diz Fernando Marcondes, sócio da L.O. Baptista Advogados.

No setor de saneamento, a potencial interferência federal seria ainda menor, porque a maioria das concessões é municipal ou estadual. Hoje, a prioridade dos chineses são concessões já em andamento, afirma o advogado.

Já há negociações entre chineses e companhias envolvidas na Operação Lava Jato, que interromperam projetos por problemas financeiros, diz um analista. Segundo ele, nesses casos, um dos entraves tem sido a definição do preço.

A expectativa é que os chineses também passem a atuar de forma mais intensa em novas PPPs (Parcerias Público-Privadas) de saneamento, diz Gustavo Magalhães, sócio do Fialho Salles Advogados.
Sobra espaço para crescer. Apenas 51,9% dos brasileiros têm acesso à coleta de esgoto, segundo estudo do instituto Trata Brasil.

O número de obras paradas também chama a atenção. No país, há cerca de 447 projetos de saneamento interrompidos, mostra levantamento da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Outro segmento que tem atraído os chineses é o de destinação de resíduos. Nessa área, há três grandes grupos interessados em concessões, diz Charles Tang, presidente da Câmara de Comércio Brasil-China.

Recentemente, diz ele, um encontro em Pequim reuniu empresários e autoridades brasileiras para tratar de projetos com novas tecnologias usadas para destinar o lixo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.