Juiz canadense concede liberdade condicional a executiva da Huawei

Depois de 10 dias, Meng Wanzhou pode aguardar extradição em liberdade

São Paulo

O juiz William Ehrcke  concedeu, nesta terça-feira (11), liberdade condicional a Meng Wanzhou, 46, vice-presidente financeira da Huawei, sob a garantia do pagamento de uma fiança de 10 milhões de dólares canadenses (R$ 29 milhões). 

Meng, que também é filha do fundador da gigante de tecnologia asiática, foi detida por autoridades canadenses no aeroporto de Vancouver dia 1º de dezembro, a pedido dos Estados Unidos.

O governo americano alega que a fabricante de smartphones e maior fornecedora de equipamentos de rede de telecomunicações tenha enganado bancos internacionais sobre transações ao Irã, violando regras de sanção ao país. 

A alta executiva é acusada de usar a Skycom, uma subsidiária da Huawei, para escapar de sanções contra o Irã entre 2009 e 2014.

​Com a decisão, Meng deve permanecer em uma de suas casas em Vancouver. A condição para a liberdade condicional inclui a entrega de passaportes, o uso de uma tornozeleira com GPS e a supervisão de seguranças. 

Meng aguarda uma possível extradição para os Estados Unidos. Seu advogado, David Martin, argumentou que ela deveria ser libertada sob fiança enquanto aguarda pela próxima audiência.

A ré tem hipertensão e chegou a ser hospitalizada após a prisão.

Desenho de Meng em tribunal canadense; a executiva está detida desde o dia 1º de dezembro
Desenho de Meng em tribunal canadense; a executiva está detida desde o dia 1º de dezembro - AFP

O caso acentuou a tensão entre Washington e Pequim, que estão em uma longa guerra comercial.

No domingo (9), o Ministério de Relações Exteriores da China convocou o embaixador americano da capital para expressar “forte protesto” contra a prisão e exigir a libertação da empresária.

Além da suposta violação das sanções contra o Irã, agências de inteligência dos EUA suspeitam que a Huawei facilite a espionagem governamental da China. Nenhuma evidência já foi apresentada publicamente. A Huawei nega as acusações.

A China chegou a ameaçou o Canadá com "graves consequências" caso Meng não fosse liberada imediatamente.

Nesta terça-feira, um ex-diplomata canadense foi detido na China. Na segunda-feira (10), um tribunal chinês determinou a suspensão preliminar do comércio de modelos antigos de iPhone, da Apple, no país. A decisão foi favorável à Qualcomm, fabricante de chips que acusa a Apple de violação de duas patentes. 

Nenhum dos dois casos apresenta relação explícita com a prisão da executiva da Huawei, embora analistas tenham previsto retaliações de Pequim. 

Antes da prisão, o governo americano já promovia uma campanha com outros países, como Alemanha, Itália e Japão, para restringir a atuação da empresa de tecnologia. Além do Irã, a Huawei é investigada por violar controles comerciais americanos em Cuba, Sudão e Síria.

Diante do problema diplomático, o presidente Donald Trump afirmou à agência de notícias Reuters que poderia intervir no Departamento de Justiça dos Estados Unidos no caso para evitar novas deteriorações na relação com a China.

Na manhã de terça-feira, ele escreveu em sua conta no Twitter que "conversas muito produtivas" estavam acontecendo com o rival. Mais tarde, o país asiático concordou em reduzir as tarifas sobre automóveis importados do país a 15%.

Na cúpula do G20, que ocorreu na semana passada na Argentina, Xi Jinping e Donald  Trump acertaram um cessar-fogo, adiando o aumento nas tarifas impostas a US$ 200 bilhões (R$ 771 bilhões) de bens chineses de 10% para 25%, planejado para 1º de janeiro.

Com agências internacionais

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.