Produção de veículos no Brasil cai 6,9% em novembro, diz Anfavea

Exportações continuam em queda, sob efeito da crise na Argentina

São Paulo

A produção de veículos no Brasil em novembro caiu 6,9% ante outubro. O dado foi divulgado nesta quinta-feira (6) pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).

A conta inclui carros de passeio, veículos comerciais leves, caminhões e ônibus.

A queda é consequência de um mês curto: houve 20 dias úteis de vendas em novembro, impactado por feriados prolongados. Em outubro, foram 22.

Foram produzidos 245,1 mil veículos no último mês, elevando o total acumulado no ano para 2,7 milhões de unidades, um crescimento de 8,8% sobre o mesmo período de 2017.

Caminhão transporta carros
Produção de veículos no Brasil em novembro caiu 6,9% - Paulo Whitaker/Reuters

Foram vendidas 230,9 mil unidades em novembro, crescimento de 13,1% na comparação com o mesmo mês de 2017. No acumulado do ano, há alta de 15,1%, de acordo com a Fenabrave, entidade que representa as revendedoras de veículos. Os resultados somam carros de passeio, comerciais leves, ônibus e caminhões. 

As exportações continuam em queda, sob efeito da crise na Argentina: recuo de 53% na comparação entre os meses de novembro de 2018 e de 2017. 

Agora ocorre o movimento contrário: é o mercado brasileiro que está segurando a produção no país vizinho.

De acordo com a Adefa (associação argentina de montadoras), há alta de 1,4% na produção entre janeiro e novembro sobre igual período de 2017. Foram fabricados 446,2 mil veículos --desses, 170,5 mil foram enviados para o Brasil.

Antonio Megale, presidente da Anfavea, diz que aguarda pelo dia em que os dois maiores mercados da América estarão no mesmo compasso. "Quando isso acontecer, vai dar muito certo, mas hoje estamos vivendo ondas opostas".

Em valores, as exportações de veículos e máquinas agrícolas em novembro somaram US$ 960 milhões (R$ 3,76 bilhões), queda de 32,8% sobre o mesmo mês do ano passado.

Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.