Após restrições para aço brasileiro na UE, Itamaraty diz que atuará na defesa de exportadores

Europa prorrogou por mais dois anos e meio as barreiras em vigor desde julho de 2018

Brasília

O Ministério das Relações Exteriores publicou uma nota nesta quarta-feira (16) em reação às salvaguardas aplicadas pela União Europeia que afetam entrada de aço brasileiro na Europa.

O Itamaraty afirma que a medida —a extensão por mais dois anos e meio de barreiras em vigor desde julho de 2018— “impactará as exportações brasileiras.” 

“Em coordenação com os demais órgãos de governo e com o setor privado, o Itamaraty continuará atuando com todo o empenho na defesa dos interesses dos exportadores brasileiros”, diz o comunicado, que também informa que o Brasil está realizando consultas sobre o tema junto à União Europeia.

A prorrogação das salvaguardas foi definida pela Comissão Europeia, o braço executivo da UE. O Brasil é afetado diretamente em sete itens derivados de aço.

Os europeus defendem a medida e justificam que a indústria siderúrgica do bloco ainda sofre com os efeitos da crise do setor, sendo que a grande quantidade de produtos provenientes de fora do bloco impediriam uma recuperação recuperação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.