Talvez BC não esteja propondo a coisa certa, diz Moro sobre monitoramento de parentes de políticos

BC abriu há uma semana uma consulta pública sobre este e outros temas

Davos (Suiça)

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, disse nesta quinta-feira (24) em Davos que "têm de ser avaliadas as razões da proposta" do Banco Central de excluir parentes de políticos do monitoramento de instituições financeiras, conforme revelado pela Folha.

Questionado pela Folha no painel que discutiu o combate a crimes financeiros, Moro respondeu que soube do caso pelos jornais. "É só uma consulta pública, e não uma decisão final. Temos de entender melhor por que os reguladores do Banco Central estão propondo essa medida, e aí podemos discutir com eles se é uma boa ideia."

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em Davos - Alan Santos/PR

O ministro acrescentou que "não estamos falando do atual governo, mas de reguladores do governo anterior. O presidente ainda não tinha mudado, ok? Eu, realmente acredito que talvez eles não estejam propondo a coisa certa, mas que a intenção é boa".

O BC abriu há uma semana uma consulta pública sobre este e outros temas. Desde 2009, pessoas próximas a políticos têm suas transações seguidas de perto por bancos para evitar eventual lavagem de dinheiro a partir de recursos do Estado.

"É muito cedo para ter uma afirmação conclusiva sobre essa proposta", afirmou o ministro, que encerrou sua participação no Fórum Econômico Mundial, com essa sessão intitulada "No escuro: crimes globalizados", sobre o combate transnacional a atividades financeiras ilícitas."

A comitiva do presidente, incluindo o presidente Jair Bolsonaro, Moro e Paulo Guedes, da Economia, já deixou a cidade suíça por volta de 16h para Zurique, de onde volta ao Brasil.

Maria Cristina Frias , Luciana Coelho e Lucas Neves

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.