Descrição de chapéu Previdência

Nos primeiros 17 dias do ano, rombo da Previdência supera verba anual da PF

Déficit também é maior que tudo o que a Lava Jato recuperou, calcula site que usa previsão do governo

Ana Estela de Sousa Pinto
São Paulo

Nos primeiros 17 dias deste ano, o déficit previdenciário brasileiro superou todo o gasto do Ministério de Ciência e Tecnologia no ano passado, já é mais que o dobro do orçamento anual da Polícia Federal e equivale a todo o dinheiro recuperado pela Operação Lava Jato.

Às 18h desta quinta (17), o rombo nas contas previdenciárias em 2019 estava em R$ 14.135.423.458,61 (consolidado da União, considerando os diferentes regimes de seguridade).

E contando.

O número, que parte da previsão feita pelo  governo no Projeto de Lei Orçamentária para 2019, é atualizado a cada segundo pelo site Deficitômetro, que entrou no ar na noite desta quarta.

Além de contabilizar e atualizar o déficit em tempo real, o site traduz o rombo em unidades mais concretas.

Os quase R$ 15 bilhões desses primeiros 17 dias do ano, por exemplo, seriam suficientes para construir 5.602 escolas, 9.923 Unidades Básicas de Saúde ou bancar todo o investimento necessário para universalizar o saneamento básico em um ano.

O site indica as fontes utilizadas para fazer essas contas.

Projetado por um cientista da computação que prefere não ser identificado, o objetivo do projeto é “gerar lucidez sobre o que é mais prioritário”.

Crescente, o rombo nas contas previdenciárias, que tira recursos de outras áreas, é a principal justificativa dos defensores de uma reforma da Previdência.

Desenvolvido durante duas noites de trabalho, o site também divide os déficits em quatro categorias: trabalhadores urbanos, trabalhadores rurais, servidores públicos e militares (nesse caso, são os rombos calculados para 2018).

O cálculo é feito por beneficiário. Segundo o Deficitômetro, cada aposentado do RGPS custou até esta quinta ao Tesouro R$ 143,12 (o dinheiro que foi preciso colocar a mais, porque a arrecadação de contribuições não cobre o pagamento de benefícios).

Já cada funcionário público inativo custou R$ 3.951,01 nos primeiros 17 dias do ano, e cada militar, R$ 7.070,30.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.