Paralisação na Ford foi por dispensa arbitrária, diz sindicato

Acordo encerra greve na Ford Taubaté após três dias

Marcela Marcos
São Paulo

A greve dos trabalhadores da Ford Taubaté, a 140 quilômetros de São Paulo, foi encerrada na tarde desta quinta-feira (24) depois que o Sindmetau (Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região) e representantes da empresa fecharam acordo.

Linha de produção na fábrica da Ford em Taubaté, no interior de São Paulo
Linha de produção na fábrica da Ford em Taubaté, no interior de São Paulo - Diego Padgurschi /Folhapress

Os funcionários paralisaram as atividades na tarde de segunda-feira (21), depois que a montadora demitiu 12 colaboradores em meio às negociações para administrar o excedente de mão de obra alegado pela empresa.

Segundo o sindicato, um PDV (Programa de Demissão Voluntária) foi aberto em novembro, com adesão de 128 trabalhadores. O sindicato negociava medidas, quando a empresa fez os cortes.

Na audiência, os participantes concordaram em restabelecer as negociações coletivas com o sindicato (incluindo na pauta a situação dos empregados desligados) e a possibilidade de pagamento dos dias parados.

As negociações devem ser concluídas até 12 de fevereiro. As partes se submeteram a uma “cláusula de paz”, que prevê, enquanto as negociações estiverem sendo feitas, os trabalhadores não entrarão em greve e a empresa não demitirá (exceto por justa causa).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.