Soja dá lugar a patos em campos inundados da Argentina após chuva em excesso

País é o principal fornecedor mundial de farelo de soja para ração

Hugh Bronstein
Norberto de la Riestra (Argentina) | Reuters

O fazendeiro argentino Mario Giustocio observa uma série de tanques d'água formados sobre um campo que deveria neste momento estar verde com plantas de soja. O dia está ensolarado, mas a previsão do tempo diz que mais chuva pode estar a caminho.

Suas terras na província de Buenos Aires foram inundadas por 755 milímetros de chuva entre outubro e dezembro, em comparação com os 250 milímetros que normalmente caem durante esse período.

"Estamos preocupados porque a previsão para janeiro a março diz que vai continuar chovendo mais do que o normal, e o solo já está saturado", disse Giustocio, falando enquanto vacas e patos circulavam pelos campos de soja inundados.

 O fazendeiro argentino Mario Giustocio observa campos inundados
O fazendeiro argentino Mario Giustocio observa campos inundados - Marcos Brindicci/Reuters

A Argentina é um grande exportador da oleaginosa e o principal fornecedor mundial de farelo de soja para ração. A principal região de soja da Argentina está ao norte e deve colher 50 milhões de toneladas ou mais neste ano.

Mas as inundações na comunidade de Norberto de la Riestra chegam a parecer uma piada cruel depois que uma seca assolou a fazenda de Giustocio e outras no cinturão de grãos dos Pampas na última temporada. A seca reduziu a produção de soja do ano passado para 37 milhões de toneladas, ante 55 milhões de toneladas inicialmente esperadas.

A situação de Giustocio é emblemática da crise enfrentada por centenas de agricultores na periferia da principal área de produção agrícola da Argentina, uma famosa região fértil centrada no norte de Buenos Aires e nas províncias ao sul de Santa Fé e Córdoba.

Cerca de 2 milhões dos 17,8 milhões de hectares plantados com soja, a principal cultura comercial da Argentina, foram danificados pelas fortes chuvas relacionadas ao fenômeno climático El Niño nesta temporada, disseram à Reuters as duas principais bolsas de grãos da Argentina (Buenos Aires e Rosario).

"As previsões indicam mais problemas nas áreas de crescimento marginal, mas não nas principais regiões produtoras de soja. Então, em geral, o quadro ainda é bom", disse Esteban Copati, analista-chefe da Bolsa de Grãos de Buenos Aires.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.