Desemprego é o maior dos últimos sete anos em 13 capitais brasileiras em 2018

Taxa recuou em 18 dos 26 estados e no Distrito Federal

São Paulo

No primeiro ano de recuo do desemprego no país após três altas seguidas, 13 capitais brasileiras continuam apresentando crescimento no número de desocupados e registraram maior taxa dos últimos sete anos.

São Paulo, por exemplo, tanto sob a ótica da capital, quanto sob os recortes da região metropolitana e do estado, ainda vê o número de desempregados crescer.

Enquanto a taxa de desocupação no país caiu de 12,7% em 2017 para 12,3% no ano passado; na capital paulista o percentual subiu de 13,5% para 14,2%.

Regiões metropolitanas, como São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador, também viram as suas taxas de desemprego crescerem.

"Percebe-se que o problema é mais forte nos grandes centros urbanos, acompanhando as maiores concentrações da população. É um desemprego metropolitano, bem maior do que no interior do país”, disse Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Porto Alegre, Vitória, Aracaju, Maceió, Recife, João Pessoa, Teresina, Macapá, Belém, Boa Vista e Porto Velho também registraram maior taxa de desemprego dos últimos sete anos.

 Entre as regiões, Sudeste e Nordeste apresentaram maiores índices de desemprego no ano passado. Já o Sul teve menor taxa, seguido pelo Centro-Oeste, região onde nenhuma das capitais teve avanço do desemprego de 2017 para 2018.

Dos 26 estados e DF (Distrito Federal), 18 deles apresentaram recuo no número de desempregados em 2018. Amapá é o estado com o maior número de desempregados. Santa Catarina, o que tem a menor taxa de desocupação.

  2017 2018
Brasil 12,7% 12,3%
Rondônia 8,2% 9,0%
Acre 14,1% 13,5%
Amazonas 15,7% 13,9%
Roraima 9,9% 12,3%
Pará 11,8% 11,1%
Amapá 17,8% 20,2%
Tocantins 11,7% 10,6%
Maranhão 14,3% 14,4%
Piauí 12,9% 12,8%
Ceará 12,6% 11,3%
Rio Grande do Norte 14,5% 13,6%
Paraíba 11,4% 11,1%
Pernambuco 17,7% 16,7%
Alagoas 16,7% 17,0%
Sergipe 14,3% 16,6%
Bahia 17,0% 17,0%
Minas Gerais 12,2% 10,7%
Espírito Santo 13,1% 11,5%
Rio de Janeiro 14,9% 15,0%
São Paulo 13,4% 13,3%
Paraná 9,0% 8,8%
Santa Catarina 7,1% 6,4%
Rio Grande do Sul 8,4% 8,1%
Mato Grosso do Sul 8,5% 7,6%
Mato Grosso 9,0% 7,9%
Goiás 10,6% 9,2%
Distrito Federal 13,2% 12,7%
Fonte: IBGE    

INFORMALIDADE

Apesar de o desemprego ter recuado no ano passado, isso não quer dizer que houve grande geração de empregos com carteira assinada.

O crescimento de novos postos ocorreu com mais força no mercado informal. O percentual de empregados sem carteira assinada no setor privado, por exemplo, cresceu de 24,3% em 2017 para 25,4%.

A mesma situação ocorreu com trabalhadores por conta própria, que em 2017 eram 25% e, no ano seguinte, subiu para 25,4%.

“Isso revela a qualidade do emprego sendo gerado nos últimos anos. Com a redução da carteira de trabalho e o aumento da informalidade, a contribuição para a Previdência também cai, o que cria problemas mais à frente”, disse Cimar.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.