Ford vai fechar fábrica de São Bernardo do Campo neste ano

Cerca de 3.000 empregos diretos devem ser afetados; Prefeitura se diz surpresa

São Paulo e Brasília

A Ford anunciou nesta terça-feira (19) que vai fechar sua fábrica em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, onde produz caminhões e o Ford Fiesta. A produção será encerrada neste ano.

A unidade emprega 3.000 trabalhadores diretos. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a fábrica tem ainda 1.500 terceirizados. 

A Prefeitura de São Bernardo calcula que mais 2.000 famílias no município devem ser afetadas.

A unidade será a primeira grande fábrica a encerrar sua produção naquele que, por décadas, foi o maior polo automotivo do Brasil.

A medida faz parte do plano de reestruturação global da Ford, que acaba de firmar parceria com a Volkswagen para fabricar veículos utilitários.

Segundo representantes da montadora, o fechamento da unidade de São Bernardo não afeta a produção em Camaçari (BA), onde são feitos os modelos Ka e EcoSport, e em Taubaté (SP), de motores.

Em comunicado, a montadora afirma que vai deixar o mercado de caminhões na América do Sul. A Ford prevê impacto de cerca de US$ 460 milhões (R$ 1,71 bilhão) em despesas não recorrentes.

As vendas dos modelos produzidos em São Bernardo continuarão até o fim do estoque. Planos de garantia, peças e assistência técnica para os veículos que estão saindo de linha devem ser mantidos.

Em nota, o presidente da Ford América do Sul, Lyle Watters, disse que a empresa está comprometida com a região "por meio da construção de um negócio rentável e sustentável, fortalecendo a oferta de produtos, criando experiências positivas para nossos consumidores e atuando com um modelo de negócios mais ágil, compacto e eficiente".

Segundo a montadora, manter a fábrica de São Bernardo exigiria investimentos para se adequar "às necessidades do mercado e aos crescentes custos com itens regulatórios sem, no entanto, apresentar um caminho viável para um negócio lucrativo e sustentável".

A saída da Ford do mercado de caminhões deve gerar um efeito cascata ainda difícil de mensurar. Distribuidores e fornecedores da fábrica podem quebrar e a situação deve engrossar a fila de desempregados no ABC paulista. 

"Sabemos que essa decisão terá um impacto significativo sobre os nossos funcionários de São Bernardo do Campo e, por isso, trabalharemos com todos os nossos parceiros nos próximos passos", disse Watters.
Começa uma complexa negociação com sindicatos, mas a Ford não pretende remanejar funcionários --Taubaté e Camaçari têm quadros cheios.

O encerramento da produção do Ford Fiesta Hatch até já era esperado, mas não o de caminhões. E a forma como veio o anúncio surpreendeu.

Ao contrário do caso recente com a General Motors no Brasil, a Ford não ameaçou, nem tentou negociar benesses tributárias com governos.

Em vídeo, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, afirmou que a montadora tem de "pagar o preço" pela decisão. À Folha ele disse acreditar que a situação pode ser revertida. 

"Em que pese ter sido uma decisão da matriz, somos confiantes de que temos condições [de reverter], por parte dos trabalhadores e dos outros interessados, dos governos."

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), considerou a decisão um "desrespeito profundo com a cidade".

Segundo ele, não havia indícios de que se poderia chegar ao fechamento da fábrica. "Fizemos alteração viária no entorno, levei para eles lei que aprovamos segundo a qual, a partir de cem novos empregos, teriam desconto no IPTU."

Morando também diz ser possível reverter a situação "se nos derem margem para diálogo". "A questão é tributária? Qual o incentivo, a necessidade [da Ford]? A empresa já teve benefícios de governos, nunca a iniciativa pública se negou a falar com ela. Não podem sair pela porta dos fundos da cidade", afirma.

Ele diz que entrou com contato com o gabinete do presidente Jair Bolsonaro e com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que já teria sinalizado disposição a ajudar.

Em nota, a Secretaria da Fazenda e Planejamento do estado de São Paulo disse que a decisão foi da Ford e que compete à empresa comentar.

Paulo Skaf, presidente da Fiesp (federação das indústrias do estado), também afirmou que "não se pode interferir na decisão da empresa", mas considerou a notícia péssima.

Ele indicou que as companhias devem se preparar para mercados mais competitivos.

"O Brasil precisa voltar a crescer, gerar empregos, riquezas e as empresas têm que se fortalecer. Nós temos que nos reinventar como país. Estamos todos virados para dentro e o mundo se transformou. Estou preocupado com isso", afirmou. 

Eduardo Sodré, Anaïs Fernandes e Mariana Carneiro
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.