Nova Previdência pode ser última chance para evitar perda de direitos adquiridos, diz Marinho

Ideia é que após o Carnaval, o governo disponibilize um site, um call center e um app sobre o tema

Rio de Janeiro | Reuters

O secretario de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou nessa quinta-feira (28) que a aprovação da reforma da Previdência é a última oportunidade que o país tem para reestruturar seu sistema de aposentadorias e pensões sem ter que avançar sobre direitos adquiridos pelos brasileiros.

Para Marinho, dada a complexidade e a abrangência da reforma, um dos grandes desafios do governo será fazer uma boa comunicação das propostas e suas vantagens. A ideia, segundo ele, é que após o Carnaval, o governo disponibilize um site, um call center e um aplicativo com simuladores para a população tirar suas dúvidas.

"O primeiro passo para atingir que o conjunto da sociedade, do mercado e da economia cresça de forma sustentável e pujante é a reforma", disse ele em evento promovido pelo jornal O Globo, no Rio de Janeiro.

Secretário da Previdência, Rogério Marinho
Secretário da Previdência, Rogério Marinho - Michel Jesus/Câmara dos Deputados

"Temos a convicção que essa é a última oportunidade que a sociedade terá de fazer uma reestruturação no sistema previdenciário sem que avancemos em direitos adquiridos e sem que o Brasil entre numa recessão ou dificuldade econômica que vai vitimar o conjunto da sociedade", acrescentou Marinho.

 

Por outro lado, ressaltou, se a reforma for aprovada, o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil tem um potencial de crescimento de cerca de 3% nos 12 meses seguintes.

Marinho admitiu que pontos da reforma que mexem com vencimentos das camadas mais pobres, como o BPC (Benefício de Prestação Continuada) e aposentadoria rural, estão entre os mais sensíveis, mas frisou que a proposta feita pelo governo fará com que os mais ricos paguem mais e os mais pobres paguem menos para poderem se aposentar.

Sobre o pleito de governadores estaduais receberem apoio financeiro do governo federal para apoiar a reforma, Marinho disse que a área econômica montou um grupo de trabalho para estudar o apoio, mas frisou que sem a aprovação das mudanças na Previdência essa ajuda não tem como se viabilizar diante da fragilidade fiscal do país.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.