Descrição de chapéu Governo Bolsonaro Previdência

Bolsonaro diz esperar que congressistas não 'desidratem' a reforma da Previdência

Presidente também manifestou preocupação com a concorrência desleal das bananas do Equador

São Paulo

O presidente da República Jair Bolsonaro afirmou durante transmissão ao vivo no Facebook, nesta quinta-feira (7), que a reforma da Previdência vai combater privilégios e desigualdades.

“O parlamentar vai se aposentar com o teto do INSS [Instituto Nacional do Seguro Social], em torno de R$ 5.000”, disse. “Os militares também estarão sujeitos às novas regras, respeitando suas especificidades.”

Bolsonaro afirmou ainda que a reforma é necessária para garantir o desenvolvimento do Brasil. “Não é porque eu quero, nós precisamos fazer uma reforma da Previdência”, disse o presidente.

Hoje, o parlamentar que concluir 35 anos de mandato garante uma aposentadoria pelo valor integral do salário, equivalente aos atuais R$ 33.763. Com quatro anos, aquele que se aposentam pelo PSSC (Plano de Seguridade Social dos Congressistas) terá garantida a aposentadoria de R$ 3.858,62, tomando como base o salário atual. O valor sobe para R$ 7.717,26 após dois mandatos completados.

Bolsonaro também falou sobre a MP (Medida Provisória) que dificulta a cobrança da contribuição sindical.

A regra que já tem valor de lei foi editada na sexta-feira (1º). O texto precisa ser aprovada em até 120 dias no Congresso. “O sindicato vai ter de emitir boleto [bancário], e o trabalhador que achar que o sindicato está fazendo um bom trabalho vai lá e paga. Esperamos que o Parlamento aprove essa medida, que fará justiça para todos”, disse.

 
0
Bolsonaro apresenta cartilha da Nova Reforma, que explica a proposta do governo para Previdência - Reprodução/Facebook

Outro ponto abordado pelo presidente da República foi o edital de concurso para assistente técnico do Banco do Brasil que exigia cursos sobre diversidade e prevenção ao assédio moral e sexual daqueles que concorriam a uma vaga.

"Olha só o nível de aparelhamento que existe: [...] você precisava ter cursos de diversidade e prevenção ao assédio moral e sexual. Isso daqui é questão de educação, ninguém precisa fazer curso nesse sentido", afirmou.

Bolsonaro afirmou que falou com o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, a respeito do concurso da Previ e disse que a exigência deve cair nos próximos concursos.

“Um conselho que eu dou a você: se alguém for aprovado em algum concurso e for exigido esse diploma, pode entrar na Justiça que tu vai ganhar”, aconselhou o presidente aos seus seguidores.

Após comentar sobre o concurso, Bolsonaro fez piada com o porta-voz, general Otávio Santana do Rêgo Barros, e com o general Augusto Heleno, ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional). Entre risos, o presidente perguntou se agora “eles estão preparados para fazer o concurso do Banco do Brasil”.

De acordo com o Banco do Brasil, o presidente falou sobre uma seleção interna da Previ aberta a todos os funcionários do BB. As inscrições terminaram no dia 1º de março e não têm vínculo com os concursos externos para trabalhar no banco.

Os cursos exigidos no edital são treinamentos feitos por meio de vídeos institucionais online, com duração até 2 horas e que devem ser assistidos pelos funcionários do BB. A Previ teria adotado a mesma exigência ao disponibilizar vagas de trabalho internamente. 

O presidente também questionou o valor da importação de bananas do Equador e se mostrou preocupado com a concorrência desleal que o produto estrangeiro estaria provocando para os produtores do Vale do Ribeira, onde foi criado.

​Em resposta ao questionamento de um dos internautas, Bolsonaro afirmou que terá uma "aula" com o TCU (Tribunal de Contas da União) para falar sobre as medidas do BNDES. Ele disse que irá se preparar para conversar com o presidente do banco estatal, Joaquim Levy, em uma reunião no Planalto.

“Se você não entender de economia e navegar no site para saber o quanto custou para o Brasil o porto de Mariel em Cuba, você vai ficar o dia todo para talvez chegar a uma conclusão [...]. Nós queremos transparência em todos os empréstimos que o BNDES fez, não somente para obras fora do país, como aqui para dentro, para pessoas físicas”, disse.

TWITTER

Uma hora antes de falar no Facebook, ele escreveu no Twitter posts em defesa da proposta da reforma da Previdência, encaminhada pelo seu governo dia 20 de fevereiro.

“Os avanços que o Brasil precisa dependem da aprovação da Nova Previdência. É a partir dela que o país terá condições de estabilizar as contas, potencializar investimentos, viabilizar uma rígida reforma tributária e enxugar ainda mais a máquina pública, reduzindo nossas estatais”, escreveu.

Na série de três postagens, Bolsonaro escreveu ainda que foi pensando nessas mudanças que a equipe econômica elaborou a proposta de reforma, que, afirma, combate privilégios. No texto, ele afirma ainda que a reforma incluirá militares.

Depois, Bolsonaro acrescentou o pronunciamento oficial. O vídeo havia sido publicado inicialmente no dia em que a proposta do governo foi entregue ao Congresso.

Com Reuters

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.