Montadoras querem que Bolsonaro volte atrás em livre-comércio com México

Anfavea deve enviar carta a Guedes; carros e peças circulam sem pagar tarifa desde o dia 19

São Paulo

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) vai pedir ao governo Bolsonaro que volte atrás e retome negociações com o México para restabelecer o sistema de cotas que regulava o comércio automotivo com o Brasil.

Desde o dia 19, carros e autopeças estão sendo transacionados entre os dois países sem pagar tarifa de importação, conforme estava previsto em acordo de livre-comércio assinado por Brasil e México. Ônibus e caminhões não estão incluídos.

Em reunião realizada na tarde desta quinta-feira (28) em São Paulo, as montadoras que compõem a Anfavea decidiram, por maioria, fazer uma última tentativa de retomar as cotas com os mexicanos.

Ainda não foi decidido exatamente como isso vai ser feito, mas o mais provável é que seja enviada uma carta com o pleito diretamente ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

O principal argumento da Anfavea para tentar convencer o governo brasileiro é uma conversa iniciada recentemente com a Associação Mexicana da Indústria Automotiva (Amia).

De acordo com fontes envolvidas nas conversas, as montadoras mexicanas também seriam favoráveis à retomada do sistema de cotas, desde que venha acompanhada de uma regra de origem mais branda.

Quando o livre-comércio foi estabelecido, a exigência de peças produzidas localmente na composição dos veículos subiu de 35% para 40%. Os mexicanos estariam tendo dificuldades de cumprir as novas regras.

Em meados de fevereiro, a Anfavea já havia solicitado ao governo que mantivesse as cotas com o México por mais três anos, alegando que o custo de produção no Brasil é mais alto.

A equipe de Guedes, no entanto, tomou a decisão de respeitar o que estava previsto no acordo com o México e adotar o livre-comércio.

Na visão dos técnicos, não havia motivos para quebrar um contrato, até porque o efeito no curto prazo será pequeno, já que o México não vinha exportando a totalidade da cota de veículos para o Brasil e vice-versa.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi eleito com uma plataforma liberal e favorável à abertura da economia. Guedes e sua equipe vêm resistindo às investidas das montadoras por subsídios e proteção de mercado.

Por outro lado, o setor automotivo enfrenta uma reorganização global, que chegou ao Brasil com a ameaça de fechamento de fábricas. No mês passado, a Ford anunciou que vai fechar sua unidade de caminhões em São Bernardo do Campo (SP).

Procurada, a Anfavea não comentou o assunto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.