Descrição de chapéu
Financial Times Cifras & Letras

Obra aponta dano a mulheres gerados por dados enviesados

Segundo autora, uso do big data pode acentuar discriminação de gênero

Sarah Gordon
Londres | Financial Times

Invisible Women

  • Preço R$ 37,45 (ebook), 410 págs.
  • Autor Caroline Criado Perez
  • Editora Vintage

Em 2011, as autoridades da cidade sueca de Karlskoga decidiram remover a neve das calçadas e das rotas de transporte público antes de limpar as ruas.

Isso fez com que as mulheres, cujos padrões de movimento tendem a ser mais complicados que os dos homens, porque elas apanham as crianças na escola e fazem as compras, além de trabalhar, sofressem menos acidentes.

Antes de 2011, o número de pedestres que sofriam ferimentos no inverno era três vezes maior que o de motoristas, e mais de dois terços das pessoas feridas eram mulheres. O custo estimado de todas essas quedas, em um único inverno, foi de US$ 4 milhões. 

A mudança de prioridade não prejudicou as pessoas que vão de carro ao trabalho --é mais fácil dirigir um carro que empurrar um carrinho de bebê em sete centímetros de neve-- e terminou economizando dinheiro para as autoridades locais.

Esse é um dos exemplos citados por Caroline Criado Perez, jornalista e ativista britânica, em "Invisible Women: Exposing Data Bias in a World Designed for Men" [mulheres invisíveis: expondo as distorções de dados em um mundo projetado para os homens], a fim de demonstrar os benefícios de incluir dados referentes a mulheres no planejamento de políticas públicas. 

Mas o que o livro dela mais expõe são as consequências de excluí-las.

Embora algumas disparidades de dados associadas a gêneros sejam bem conhecidas, outras são inesperadas e quase chocantes. 

As mulheres fazem três quartos do trabalho não pago, não importa a proporção da renda do domicílio que elas gerem; faxineiras e cuidadoras podem erguer mais peso em um turno de trabalho do que um operário de construção ou mineiro; a poluição gerada por fornos e fogões é o maior fator ambiental de risco para a mortalidade da mulher. 

O livro cobre muitos exemplos de como os dados são distorcidos em desfavor das mulheres --do design industrial aos sistemas de saúde, passando pela resposta a desastres.

Como aponta Criado Perez, a maioria desses exemplos, se não todos, não surgiu porque os homens excluíram deliberadamente dados sobre mulheres, mas simplesmente porque eles não pensaram a respeito.

Tratar o homem como "ser humano padrão" significa não só que as mulheres sejam tratadas de maneira injusta, mas sim que elas estão morrendo desnecessariamente.

 

A falta de dados diferenciados por sexo nos resultados de exames clínicos, por exemplo, afeta a capacidade de dar conselhos médicos sensatos às mulheres.

O limiar de corrente elétrica que justifica a instalação de um marcapasso, nos Estados Unidos, é correto para os homens, mas deveria ser mais baixo para as mulheres. 

O mais preocupante talvez seja o argumento de Criado Perez de que a disparidade de dados entre os gêneros está se agravando. A introdução dos sistemas big data, ela afirma, "pode intensificar e acelerar discriminações já existentes".

O exame algorítmico de currículos é uma área especialmente problemática. Ela menciona o exemplo da Gild, uma plataforma para contratação de pessoal de tecnologia que usa algoritmos para analisar a presença online de candidatos e identificar os melhores programadores. 

De acordo com a Gild, frequentar um determinado site de mangás japonês é "forte fator de predição quanto a talento de programação" --a despeito do fato de que mulheres muitas vezes dispõem de menos tempo de lazer do que os homens e de elas não gostarem de sites de mangás.

O mesmo se aplica aos algoritmos usados na tecnologia de reconhecimento de voz. 

Os sistemas de navegação via satélite nos carros reconhecem vozes masculinas com mais facilidade do que vozes femininas. O software de reconhecimento de voz do Google tem probabili- dade 70% maior de reconhecer fala masculina do que fala feminina.

Perez prova convincentemente que dados aparentemente objetivos podem na verdade ser muito distorcidos em favor dos homens e que gastos públicos, saúde, educação, locais de trabalho e a sociedade em geral se tornam piores como resultado. 


Tradução de Paulo Migliacci

MAIS VENDIDOS

Veja livros que se destacaram na semana

TEORIA E ANÁLISE

1º/-   Scrum, Jeff Sutherland, ed. LeYa, R$ 34,90
2º/2º  Marketing 4.0, Philip Kotler, Hermawan Kartajaya e Iwan Setiawan, Ed. Sextante, R$ 49,90
3º/1º  Rápido e Devagar, Daniel Kahneman, Ed. Objetiva,  R$ 62,90
4º/-   Análise Técnica Dos Mercados Financeiros, Flávio Lemos, Ed. Saraiva, R$ 64,90
5º/3º  O Livro dos Negócios (reduzido), Ian Marcousé, Globo Livros, R$ 59,90


Prática e Pessoas

1º/1º A Sutil Arte de Ligar o F*da-se, Mark Manson, Ed. Intrínseca, R$ 29,90
2º/2º Seja Foda!, Caio Carneiro, Ed. Buzz, R$ 39,90
3º/3º Me Poupe!, Nathalia Arcuri, Ed. Sextante, R$ 29,90 
4º/5º O Poder da Autorresponsabilidade, Paulo Vieira, Ed. Gente, R$ 19,90
5º/-  O Poder da Ação, Paulo Vieira, ed. Gente, R$ 29,90


Lista feita com amostra informada pelas livrarias Curitiba, da Folha, da Vila, Saraiva e Argumento; os preços são referências do mercado e podem variar 
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.