PSL fecha questão a favor da reforma da Previdência

Movimentação obriga os 54 deputados da legenda a votarem a favor da medida

Thais Bilenky
Brasília

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, fechou questão a favor da reforma da Previdência nesta quinta-feira (28), obrigando os seus 54 deputados a aprovarem a medida.

Segundo o líder da bancada, Delegado Waldir (GO), e o presidente da sigla, deputado Luciano Bivar (PE), pelo regimento, quem contrariar a decisão estará sujeito a expulsão.

“Estamos dando a demonstração que acho que o mercado esperava, que o presidente [da Câmara] Rodrigo Maia (DEM-RJ) esperava de ser o primeiro partido a fechar questão, estamos dando exemplo”, afirmou Waldir, após reunião da bancada em Brasília.

Nem ele nem Bivar quiseram comentar o bate-boca entre Maia e Bolsonaro, que ajudou a contaminar o ambiente na Câmara contra o governo. O dólar subiu e a Bolsa caiu.

O líder foi um dos deputados do PSL que vocalizaram a divisão interna quanto à reforma ao compará-la a um abacaxi que o governo queria que a Câmara descascasse com os dentes. “Tem que trazer a faca para ajudar a descascar”, disse dias atrás.

Agora, o governo trouxe a faca. O ministro Paulo Guedes, da Economia, convidou a bancada para se dividir em dois grupos para debater o texto na semana que vem na pasta.

“Vamos discutir ao longo do tempo as adequações necessárias para que atenda aos anseios dos nossos parlamentares”, afirmou o líder. 

“Vão detalhar para nós as minúcias para que a gente tenha argumentos na ponta da língua para poder passar em qualquer argumentação contrária”, continuou, dizendo que a reforma no regime dos militares também será debatida. 

“Talvez algumas explicações não estejam sendo eficientes ainda, mas vamos cuidar disso.”

Waldir afirmou que Guedes fará o mesmo com todos os partidos da Câmara. Negou que o PSL tenha um papel de facilitador da reforma na Casa. “É papel do governo e ele já está fazendo isso.”

Dos 54 deputados do PSL, participaram da reunião 32. A bancada, que nunca foi unida, viveu momentos de desgaste desde a chegada da reforma da Previdência à Câmara.

Não compareceram, entre outros, Felipe Francischini, presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), e Alexandre Frota (SP). O primeiro disse que estava recebendo o presidente da OAB. O segundo, que tinha audiência no Planalto.

A permanência de Waldir foi questionada internamente, bem como as dos líderes do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (GO), e no Congresso, Joice Hasselmann (SP).

“Esse assunto foi só fofoca de bastidores”, minimizou Waldir.

“O PSL está unido, PSL está fechado. Temos debate, na casa de vocês não tem debate, não? Viemos de matizes diferentes, empresário, jornalista, militar, delegado”, seguiu.

“O PT tem 50 facções. Somos um grupo em que uma ou outra pessoa tem ideia diferente, idade diferente, sexo diferente, torcedor de time diferente, estado diferente, não tem jeito.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.