Volume de serviços no Brasil tem queda inesperada em janeiro

Na comparação com mesmo mês de 2018, houve alta de 2,1%

São Paulo

O volume de serviços no Brasil registrou queda inesperada em janeiro, começando o ano sob pressão dos transportes e de serviços de informação, corroborando o quadro de recuperação lenta da economia.

A queda foi de 0,3% em janeiro frente a dezembro de 2018, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta (15).

Por outro lado, na comparação com janeiro do ano passado, o setor acumulou ganho de 2,1%.

É a maior evolução nessa base de avaliação desde março de 2015, quando cresceu 2,3%.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de avanço de 0,2% na comparação mensal e de 1,9% na base anual.

O resultado fraco de serviços acompanha a indústria, cuja produção teve queda de 0,8% sobre o mês anterior, no resultado mais fraco em quatro meses. 

Por outro lado, as vendas varejistas tiveram alta acima do esperado no mês.

“Em uma análise mais ampla, essa ligeira queda no resultado mensal não chegou a anular a média que se acumulou entre novembro de 2018 e janeiro deste ano”, afirmou em nota o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Duas das cinco atividades monitoradas pela pesquisa recuaram frente a dezembro de 2018. O segmento de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio caiu 0,6% e o setor de serviços de informação e comunicação, 0,2%. 
Juntos, os dois setores representam 63% dos serviços no país.

Na nota, o IBGE atribui boa parte da queda no  serviços de informação e comunicação à menor receita na atividade de desenvolvimento e licenciamento de programas de computador no período, o que seria normal em início de trimestre.

Dos setores que cresceram na comparação com o mês anterior, serviços profissionais, administrativos e complementares subiu 1,7%, após ter caído 1,6% em dezembro. 
No período, também foram registradas altas de 4,8% em outros serviços, que engloba atividades como compra, venda e aluguel de imóveis e manutenção de veículos automotores, e de 1,1% em serviços prestados às famílias.
 
Os serviços das atividades turísticas cresceram tanto em relação a dezembro de 2018 (3,2%) quanto em comparação com janeiro de 2018 (3,8%) interrompendo quatro quedas seguidas nessa comparação.

Com Reuters

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.