Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Aos 100 dias, Bolsonaro baixará regras para limitar poder do Estado sobre empreendedores

'Regras vão 'empoderar o particular e expandir sua proteção contra a intervenção estatal', diz minuta

Julio Wiziack Mariana Carneiro
Brasília

Para cumprir uma das promessas feitas no início do governo pelo presidente Jair Bolsonaro, a equipe econômica e o Ministério da Justiça devem encaminhar para a Casa Civil, nesta terça-feira (9), a proposta de medida provisória que institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica.

Bolsonaro deve anunciá-la nesta semana quando completará 100 dias no cargo. Ambiciosa, a medida foi antecipada para a data e, por isso, tem a previsão de ser detalhada futuramente por um grupo de trabalho formado por representantes do governo e da sociedade civil.

0
Presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante cerimônia na qual sancionou a criação do cadastro positivo, nesta terça-feira (8) - Evaristo Sá/AFP

Na exposição de motivos da minuta, a que a Folha teve acesso, o governo define esse pacote como um conjunto de regras para "empoderar o particular e expandir sua proteção contra a intervenção estatal".

São mencionados 10 pilares (com várias medidas em cada um) que visam a limitar o poder regulatório do Estado sobre a livre iniciativa. 

O primeiro deles diz que o Estado deverá definir regulações diferentes a depender do porte da empresa e do risco do negócio de atuação dela. No texto, o governo afirma que não pode tratar de maneira semelhante uma banca de fotocópias e uma boate sujeita a incêndios. 

O empreendedor também poderá exercer a atividade econômica em qualquer horário, ressalvados os direitos trabalhistas e as leis locais de boa vizinhança. Ou seja, o Estado não poderá restringir os dias e os horários da atividade comercial.

O terceiro eixo libera a fixação de preços até para mercados regulados, ressalvada regulação que será editada pelo governo e que delimitará que essa garantia não poderá agredir o direito do consumidor e o da concorrência. 

As normas aplicadas pela administração deverão ter caráter vinculante. O objetivo expresso pelo governo na proposição é coibir casos de corrupção decorrentes do "poder discricionário que agentes têm para interpretar a norma" e, eventualmente, para alterar a interpretação dada por outro órgão do governo. O modelo passará a ser o da Receita Federal. Haverá possibilidade de recurso, porém para valores acima de um limite que ainda será definido pelo governo.   

A medida provisória também vai considerar o espírito da boa-fé nos atos praticados pelos empresários, prevendo que, em caso de dúvida sobre a interpretação de determinada norma, deva ser preservada a "autonomia da vontade, salvo expressa disposição legal em contrário". 

A sexta iniciativa pretende afastar os efeitos de normas infralegais que se tornaram desatualizadas por força do avanço tecnológico, principalmente em áreas como telefonia.

Uma das mais controversas mudanças é a que pretende retirar entrave a que um novo produto ou serviço seja testado restritivamente em um grupo privado, ressalvados os casos de segurança nacional e saúde pública, como testes de medicamentos em humanos.

O acordo entre sócios de uma empresa também deverá ter prevalência sobre as regras do direito empresarial.

O nono pilar prevê o recurso da "aprovação tácita", prática comum nos países que fazem parte da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e prevê que, ao fim do prazo estipulado, se o regulador não se pronunciar, vale o pedido feito pelo empreendedor.

Por fim, documentos filmados ou digitalizados terão o mesmo valor que um documento impresso.

A medida provisória será assinada pelos ministros Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça) e foi anunciada na última semana pelo presidente Jair Bolsonaro em encontro com jornalistas como parte de uma agenda de simplificação da vida do empresariado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.