Descrição de chapéu The Wall Street Journal

Apple e Qualcomm fecham acordo para encerrar litígios

Gigantes da tecnologia travavam batalha por royalties sobre chips, com bilhões de dólares em jogo

San Diego (EUA)

A Apple e a Qualcomm fecharam um acordo para encerrar todos os processos judiciais entre as duas companhias em todo o mundo, pondo fim a uma batalha judicial prolongada quanto à maneira pela qual royalties são recolhidos sobre inovações na tecnologia de smartphones.

Os termos financeiros do acordo não foram revelados.

O fim da disputa sobre patentes envolve um pagamento em valor não revelado da Apple à Qualcomm, e encerra todos os litígios envolvendo os fabricantes terceirizados que a Apple emprega para montar seus iPhones e iPads.

Apple e Qualcomm, cujos presidentes-executivos deveriam depor no julgamento, chegaram a um acordo de licenciamento com prazo de seis anos e retrospectivo a 1º de abril, com uma opção de extensão por dois anos, e a um contrato multianual para fornecimento de chipsets.

A Qualcomm anunciou que o acordo elevará seu lucro por ação em US$ 2 (R$ 7,70) quando os embarques de chips começarem.

As ações da empresa dispararam à tarde, com alta de mais de 20% depois do anúncio do acordo.

As ações da Apple subiram ligeiramente.

A reviravolta dramática aconteceu no momento em que os advogados da Qualcomm se preparavam para encerrar seus argumentos de abertura, nos quais retratavam intimidação por parte da Apple, que tentou forçar a fabricante de chips a aceitar menos dinheiro do que deveria receber por suas contribuições ao desenvolvimento dos smartphones.

Anteriormente, na abertura do julgamento, a Apple tinha acusado a Qualcomm de forçar seus clientes a pagar duas vezes para ganhar acesso aos seus chips.

AFP

O acordo “permitirá que essas empresas de tecnologia voltem a cuidar dos negócios, e permitirá que vocês retornem aos seus assuntos cotidianos”, disse o juiz Gonzalo Curiel aos jurados.

A disputa surgida dois anos atrás começou quando as vendas mundiais de smartphones se desaceleraram, o que colocou as duas empresas sob pressão.

A Apple pagava US$ 7,50 (R$ 29 atuais) de royalty à Qualcomm por unidade do iPhone vendida desde 2007 — um preço a que as empresas chegaram por meio de acordos complexos que reduziam o valor normal dos royalties da Qualcomm por meio de descontos e pagamentos de incentivo.

A Apple também concordou em usar a Qualcomm como fornecedora exclusiva de chips com função de modem, entre 2011 e 2016.

A Apple começou a usar chips Intel em alguns modelos do iPhone, em 2016, quando seu contrato mais recente com a Qualcomm venceu. Em janeiro de 2017, ela abriu um processo contra a Qualcomm.

Outras questões serviram para agravar a desconfiança.

Executivos da Qualcomm, por exemplo, suspeitavam de apoio da Apple a uma tentativa hostil de tomada de controle acionário da empresa pela Broadcom, e executivos da Apple se irritaram quando a Qualcomm contratou uma empresa de pesquisa vinculada a um site noticioso que havia publicado artigos que classificavam a fabricante do iPhone como a maior “bully” do Vale do Silício, para pesquisar fatos negativos sobre a companhia.

A contestação legal da Apple a deixou sem acesso aos chips com função de modem 5G da Qualcomm, líderes do mercado, o que colocava seu principal produto, o iPhone, em desvantagem diante de concorrentes que usam o sistema operacional Android, na corrida pelo próximo grande avanço na telefonia móvel.

The Wall Street Journal, traduzido do inglês por Paulo Migliacci

The Wall Street Journal
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.