Descrição de chapéu Governo Bolsonaro Previdência

Deputado acusa líder do PSL de portar arma e CCJ interrompe sessão

'Isto aqui não é rinha de galo', diz Francischini (PSL) para conter briga

Angela Boldrini Thiago Resende
Brasília

Uma confusão suspendeu a sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara em que deve ser lido o parecer do relator da reforma da Previdência, nesta terça-feira (9). 

O deputado Delegado Waldir (PSL-GO), líder do partido de Jair Bolsonaro na Casa, foi acusado pelo deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE) de estar armado em plenário.

Após a confusão, Waldir mostrou a jornalistas o coldre vazio. No entanto, Bismarck acusa o líder do PSL de ter passado a arma para outra pessoa no meio do tumulto. 

0
O relator da reforma da Previdência na CCJ, Marcelo Freitas (PSL-MG) participa de sessão da comissão na Câmara - Adriano Machado/Reuters

O pedetista chegou a ficar em pé nas cadeiras da comissão e pediu ao presidente do colegiado, Felipe Francischini (PSL-PR) que fechasse as portas para não deixar ninguém entrar ou sair. 

A sessão foi suspensa por alguns minutos e Francischini chamou os coordenadores de bancada para sua sala. 

"Isto aqui não é rinha de galo", exclamou o deputado, tentando sem sucesso conter a confusão.

O tumulto começou depois que o presidente decidiu proceder à leitura do relatório. A oposição tentava apresentar questões de ordem para protelar o início da apresentação, e foi à mesa de Francischini apelar para que ela não fosse iniciada. 

O clima na CCJ é de tensão desde o início da sessão, com os deputados de oposição apresentando sucessivos requerimentos para tentar adiar o processo. 

A expectativa é que o deputado Marcelo Freitas (PSL-MG) leia nesta terça um parecer pela admissibilidade total da PEC da reforma da Previdência. 

Depois, é esperado que haja pedido de vista. Assim, nova discussão sobre a PEC só deve ser retomada na próxima semana. O governo espera votar o processo na próxima quarta-feira (17). 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.