Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Governo vai tomar um cacete e pedir desculpas, senão trava a Previdência, diz Major Olímpio sobre mínimo

Líder do PSL no Senado, parlamentar diz que interrupção de política do salário mínimo tem tudo para ser rejeitada

Daniel Carvalho
Brasília

Após analisar a proposta do governo de corrigir o salário mínimo apenas pela inflação em 2020, o líder do partido do presidente Jair Bolsonaro no Senado, Major Olímpio (PSL-SP), disse ter chegado a uma conclusão: "o governo vai tomar um cacete e pedir desculpas, senão trava de vez a Previdência".

"Politicamente fiquei preocupado", disse Olímpio à Folha, por mensagem, na madrugada desta terça-feira (16).

"Ao valor do salário mínimo, muitos custos estão atrelados, então, o governo está indo no limite do que entende possível. Mas a questão será muito polêmica, sem a certeza mesmo que hoje o governo consiga maioria", ponderou o correligionário de Bolsonaro.

"Dentro do novo debate, com a nova política, na prática, se o centrão se juntar à oposição, o governo já toma um tremendo cacete. E ainda neste momento, o governo vai tomar um cacete e pedir desculpas, senão trava de vez a Previdência", disse o líder do PSL no Senado.

Senador Major Olímpio durante o lançamento da Frente Parlamentar da Segurança Pública na Câmara dos Deputados, em março - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Olímpio disse que Bolsonaro tem a seu favor apenas o PSL, sigla que chamou de Geni, prostituta que protagoniza o clássico "Geni e o Zepelim", de Chico Buarque.

"De verdade, o governo só tem mesmo a sua Geni, que é o partido do presidente. 'Joga pedra na Geni, ela é boa de cuspir, ela dá pra qualquer um'", disse Olímpio, citando trechos da música.

O líder do PSL no Senado também citou o DEM, partido que, além das presidências da Câmara e do Senado, comanda os ministérios da Casa Civil, da Agricultura e da Saúde.

"O DEM tem três ministérios e as presidências da Câmara e do Senado, e, na hora do pau, diz: 'não sei se sou base ou oposição'. Vai querer o que dos demais, que não têm nem um cafezinho com educação?", indagou Olímpio, antes de concluir a mensagem.

"Difícil resolver uma pendenga destas. Tem tudo para ser rejeitada no Congresso esta proposta do mínimo."

Na segunda-feira (15), parlamentares já consideravam que a proposta enviada pelo governo, que encerra a política que permitia ganhos reais aos trabalhadores, não deve ser aprovada pelo Congresso e piora o clima para a apreciação da reforma da Previdência.

"Em 15 anos, será a primeira vez que o salário mínimo não terá reajuste de um centavo sequer. Um retrocesso que aprofundará o abismo social do Brasil", disse o líder da Minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

A política de aumento real do salário mínimo foi implementada no governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e transformada em lei por sua sucessora Dilma Rousseff (PT). A regra, entretanto, teve validade encerrada em janeiro deste ano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.