Greve de caminhoneiros em Portugal fecha milhares de postos e provoca filas para abastecer

Categoria que transporta materiais perigosos reivindica adicionais de risco e melhor remuneração

Giuliana Miranda
Lisboa

Uma greve convocada pelo sindicato dos caminhoneiros que transportam materiais perigosos deixou vários pontos de Portugal — inclusive aeroportos e serviços de ambulância — sem combustível.

Pelo menos 3.000 postos de combustíveis haviam sido fechados nesta quarta-feira (17) devido à falta de gasolina e diesel. Na capital e em muitas áreas metropolitanas, motoristas enfrentam longas filas para abastecer.

Voos foram cancelados em Faro, na região do Algarve. No terminal de Lisboa, o mais movimentado do país, o abastecimento seguia abaixo do normal e precisou ser feito por um comboio de caminhões com escolta policial.

Empresas de ônibus afirmam que os estoques de combustível podem acabar em vários pontos já nesta quarta (17). O Inem (Instituto Nacional de Emergência Médica, uma espécie de SAMU lusitano) apelou à população para que ambulâncias e outros veículos de transporte de doentes tenham prioridade nos postos de gasolina.

Fila de carros esperando para abastecer em um posto de Seixal, na região metropolitana de Lisboa. Mais de 3 mil postos estão fechados - Carlos Costa/AFP

Diante do cenário, o governo português declarou estado de “crise energética” e determinou uma série de medidas excepcionais.

Além de colocar as forças militares em alerta, o despacho, assinado conjuntamente pelos ministérios da Administração Interna e do Ambiente e da Transição Energética, diz que serão estabelecidas formas de garantir o abastecimento de combustível e de serviços essenciais, como segurança, socorro e emergências médicas.

Além disso, a decisão do governo também convoca “trabalhadores dos setores público e privado que estejam habilitados com carta de condução de veículos pesados” para auxiliarem na distribuição de combustível.

Sem data para acabar

A greve foi convocada por tempo indeterminado pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, que reivindica o reconhecimento dos caminhoneiros que fazem este tipo de serviço como uma categoria profissional específica, com direito a adicionais relacionados aos riscos e melhor remuneração.

O governo português conseguiu na Justiça uma decisão que obriga os grevistas a manterem serviços mínimos de abastecimento. No entanto, dificuldades em estabelecer o que eram os critérios mínimos atrasaram o cumprimento desta medida, que só passaria a valer efetivamente a partir da madrugada de quarta (17).

Posto de gasolina na cidade de Porto, em Portugal. - Rafael Marchante/Reuters

A corrida aos postos de combustível, que acontece a pouco mais de um mês das eleições para o Parlamento Europeu, gerou uma onda de críticas ao primeiro-ministro português, o socialista António Costa.

Líder do partido de oposição CDS-PP, a deputada Assunção Cristas atacou duramente o governo.

“Esta é uma prova de mais um caso de incompetência por parte do governo”, afirmou, classificando como caótica a situação vivida no país.

Além das eleições europeias, Portugal também terá, em outubro deste ano, um pleito para escolher seus novos deputados e primeiro-ministro.

Nesse cenário, a quantidade de paralisações e avisos de greve já foi recorde.

Nos três primeiros meses do ano, foram mais de duzentos pré-avisos de greve. 

Primeiro-ministro português, António Costa, vem recebendo críticas da oposição pela situação caótica de abastecimento no país. - Aris Oikonomou/AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.