Guedes estreia em articulação sob desconfiança de deputados

Parlamentares temem levar pedidos a ministro e serem escrachados por governo

Brasília

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez nesta terça-feira (2) sua estreia como principal articulador político da reforma da Previdência com o Congresso.

Apesar de contar com a simpatia de parlamentares favoráveis à proposta e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Guedes enfrenta a desconfiança do Parlamento com o governo Jair Bolsonaro (PSL).

O ministro recebeu parte da bancada do PSD, que tem 36 deputados, o líder do Democratas, Elmar Nascimento (BA), e fez uma reunião com parlamentares de PRB, PTB, DEM, PDT e PSDB.

"Ele fez um gesto político que deveria estar sendo feito pelo presidente", afirmou Marx Beltrão (PSD-AL).

O ex-ministro do Turismo de Michel Temer (MDB) disse que Guedes fez uma defesa política da reforma.

Ele também afirma que não foram apresentadas demandas da parte do partido para o ministro da Economia.

Segundo deputados, a principal dificuldade é que os parlamentares têm medo de levar para o ministério suas demandas e depois serem expostos nas redes sociais de membros do governo, e até do presidente Bolsonaro.

Reservadamente, eles afirmam temer serem publicamente escrachados como membros da "velha política".

Um episódio recente, em que Bolsonaro almoçou com Maia e, no dia seguinte, publicou em sua conta do Twitter que estaria sendo achacado pelo Congresso, ajudou a criar um clima de receio.

A relação entre o Congresso e o Executivo, segundo parlamentares, ainda beira à desconfiança, apesar de ter começado a destravar após a atuação de Guedes na articulação. 

De perfil mais técnico, o ministro tem o apoio do presidente da Câmara e dos aliados de Maia.

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), também tem atuado para criar pontes entre deputados e o Ministério da Economia.

Nascimento, um dos poucos que tiveram encontro mais reservado com Guedes, foi pedir apoio para a prorrogação de incentivos tributários a construtoras do Minha Casa Minha Vida. 

Há um projeto de lei na Câmara para conceder esses benefícios às empresas.

O plenário aprovou, em março, a urgência do texto, mas Vitor Hugo pediu mais tempo para que a equipe econômica estudasse o assunto. Assim, o líder do DEM, autor do requerimento de urgência para o projeto, conseguiu apresentar a pauta ao ministro.

Nascimento nega que o pleito tenha relação com o apoio do partido à reforma. Vitor Hugo também rechaça a ideia de que seja uma troca por apoio ao endurecimento das regras de aposentadorias.

"Isso é política", disse o líder do governo. Segundo ele, Guedes e a Receita Federal vão analisar o pedido que talvez possa ser atendido por ato administrativo —sem a necessidade de aprovar um projeto de lei no Congresso.

Guedes entrou na articulação política ocupando um vácuo. Interlocutores de Bolsonaro não conseguiram conter a insurreição do Congresso, que entrou em um embate com o Palácio do Planalto e impôs derrotas ao governo.

Para defender a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma da Previdência, o ministro da Economia irá, nesta quarta-feira (3), à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.

Esta é a primeira etapa de tramitação, na qual é avaliada a adequação do texto à Constituição. Não se avalia o teor do projeto.

Em uma demonstração de apoio, Maia, favorável à pauta liberal do governo, deve comparecer à reunião da CCJ ao lado de Guedes.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.