Indústria, comércio e agronegócio intensificam lobby pela Previdência

Entidades dos setores e empresários buscam apoio nos estados e também em mobilizações em Brasília

Julio Wiziack
Brasília

Diante da inércia do governo, sem articulação política no Congresso, entidades da indústria, comércio, agricultura e até um grupo de empresários passaram a fazer lobby pela aprovação da reforma da Previdência.

A estratégia é usar a capilaridade das entidades, que têm braços em praticamente todos os estados, para, via federações da indústria, pressionar deputados e senadores de cada bancada.

Depois de um consenso com suas 700 mil filiadas, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) decidiu partir para o "corpo a corpo" com os parlamentares.

No fim de dezembro, Amaro Sales de Araújo, que preside a Fiern, braço da CNI no Rio Grande do Norte, marcou um café da manhã na sede da entidade, em Natal. Praticamente todos os deputados e senadores compareceram. Até a governadora, Fátima Bezerra, participou.

Na sede da CNI, em Brasília, os executivos da entidade também ofereceram, no fim de fevereiro, um café da manhã para os parlamentares novatos.

A entidade já atua no Congresso na defesa da agenda da indústria, mas, desta vez, decidiu reforçar o trabalho aproveitando sua rede de 27 federações, 65 associações setoriais e 1.250 sindicatos.

A expectativa é que a proposta do governo seja aprovada com ajustes até, no máximo, o início do segundo semestre.

Pessoas que participam dessa articulação afirmam que a CNI não fará o lobby por aspectos específicos da proposta, como a previdência rural, a dos militares, o BPC (Benefício de Prestação Continuada) e o regime de capitalização.

Os representantes da CNI só entrarão nesses detalhes se houver racha no Congresso a ponto de barrar a votação.

A missão dada pela entidade é, usando argumentos técnicos, conseguir um "caminho do meio" garantindo a aprovação da reforma.

"As regras de concessão dos benefícios não são compatíveis com a mudança populacional, que se intensificará nos próximos anos", disse a CNI em nota.

"As normas atuais levarão o país, fatalmente, para o colapso financeiro, já que o rombo aumenta ano após ano. A conta não fecha", afirmou a entidade.

Para a CNI, sem isso, não haverá condições de retomada da economia, interesse de todos os industriários envolvidos nessa campanha.

Levantamento da área técnica da confederação mostrou que, caso a reforma enviada pelo ex-presidente Michel Temer (MDB) ao Congresso já estivesse em vigor, o país estaria economizando R$ 8,5 bilhões por ano.

Na CNC (Confederação Nacional do Comércio) não é diferente. Segundo o presidente da entidade, José Roberto Tadros, a entidade tem representantes por todo o país e também está usando sua capilaridade para convencer os parlamentares em seus próprios estados.

Diversos governadores também estão sendo acionados pela entidade para reforçar esse plano.

"Estamos marcando eventos, cafés da manhã, nos estados. Mas muitos dirigentes têm suas relações pessoais também e acabam falando diretamente com deputados, senadores [em eventos privados]", disse.

"Aprovar a reforma é uma agenda que está acima da política partidária e das paixões."

A CNC também vai contar com seus lobistas no Congresso, seguindo a mesma estratégia da CNI.

Na Agricultura, a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) trabalha em sintonia com a FPA (Frente Parlamentar Agropecuária), bancada que tem 225 deputados federais.

Nesta semana, 15 presidentes de federações ligadas à CNA entregaram no Congresso um documento de apoio à reforma.

O grupo quer mudanças no texto, mas a orientação é pela aprovação da reforma.

Nos estados, as federações também trabalham para convencer outros deputados.

Até mesmo empresários decidiram fazer lobby diretamente no Congresso. 

Nas próximas semanas, o Instituto Brasil 200 abrirá um escritório de representação em Brasília e contratará cerca de 12 lobistas para atuar em defesa da reforma.

Segundo o coordenador do instituto, Gabriel Kanner, fazem parte do movimento empresários como Flávio Rocha (Riachuelo), João Apolinário (Polishop), Luciano Hang (Havan), Sebastião Bonfim (Centauro), Washington Cinel (Gocil), Edgar Corona (Smart Fit) —todos apoiaram Bolsonaro na campanha eleitoral.

Kanner disse à Folha que também pretende usar os 25 núcleos estaduais da instituição para tentar convencer principalmente os parlamentares do chamado "centrão", hoje controlado pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.