Ministra diz que fim de recursos para financiamentos é boa notícia e descarta corte no plano Safra

Novo plano será lançado dia 12 de julho, segundo Tereza Cristina

Marcelo Toledo
Uberaba

O dinheiro para financiamentos agrícolas por meio de programas como o Moderfrota e o Inovagro acabou. Isso é uma boa notícia na avaliação da ministra da Agricultura, Teresa Cristina, que também negou corte de recursos no novo Plano Safra, a ser lançado em julho.

As afirmações foram feitas neste sábado (27) em Uberaba, no Triângulo Mineiro, onde esteve para a abertura da Expozebu, maior evento envolvendo gado de raças zebuínas do país.

Gado na cidade de Carmolândia, no norte de Tocantins - Apu Gomes - 14.dez.12/Folhapress

“Houve o plano Safra, que está em curso e que termina agora. Ele se exauriu, acabaram os recursos. Isso é uma boa notícia e é uma ma notícia. Boa notícia por quê? Porque o setor está investindo. Tanto investiu que o dinheiro acabou antes do que se previa”, disse.

Segundo ela, o governo está preparando o novo plano Safra, que vai ser lançado dia 12 de julho. O plano está em fase final de Implementação junto ao Ministério da Economia e ao Tesouro Nacional, conforme a ministra.

“Não tem nenhum programa que será cortado, faremos apenas algumas modificações e trocas, aumentando os programas que têm mais demanda e diminuindo aqueles que têm menos demanda.”

No último dia 11, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) suspendeu novos financiamentos dos dois programas, vistos como essenciais pelos ruralistas. O banco alegou que suspendeu devido ao comprometimento dos recursos disponíveis no ano agrícola 2018/19.

O Moderfrota tinha como condições taxa de juros pré-fixada de 7,5% para quem fatura até R$ 90 milhões por ano.

Apesar da suspensão, bancos projetam aumento de até 20% nas vendas na Agrishow, principal feira de máquinas agrícolas do país, que começa segunda-feira (29) em Ribeirão Preto.

A Expozebu é organizada pela ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu), que completa 100 anos em 2019. A exposição está em sua 85ª edição e reúne animais de raças como brahman, guzerá, gir, nelore e tabapuã —raças zebuínas representam 80% do gado existente no país, segundo a ABCZ.

Além da abertura, à tarde a ministra participará, na sede da ABCZ, de uma mesa de discussões da comissão de agricultura, pecuária, abastecimento e desenvolvimento rural da Câmara dos Deputados.

Balança comercial

O segmento de carnes é uma das três cadeias produtivas do agronegócio mineiro que mais exportam e geram divisas, de acordo com a secretária da Agricultura de Minas Gerais, Ana Maria Soares Valentini.

A carne bovina respondeu por 72% das exportações do setor e alcançou US$ 605 milhões em negócios em 2018.

“China, Hong Kong e Egito são os principais destinos da carne bovina mineira. Atender e ampliar esse mercado, com produção de qualidade, é o principal objetivo de todos os envolvidos nessa cadeia produtiva”, disse a secretária.

Negócios

Nas próximas duas semanas, Uberaba terá 33 leilões de gado e shoppings de animais, 5 a mais do que em 2018.

Nos shoppings, a compra é feita diretamente entre produtor e interessado, enquanto nos leilões leva o animal o maior lance oferecido.

Com as duas modalidades, a organização estima que serão negociados R$ 35 milhões.

A previsão é que o faturamento global da feira pecuária alcance R$ 200 milhões, ante os R$ 176 milhões do ano passado. São aguardadas 280 mil pessoas, 20% a mais que na edição de 2018.

A ExpoZebu 2019 será realizada no Parque Fernando Costa até o dia 5 de maio.

“Precisamos de constante atenção do governo. Não cansamos de ressaltar, com orgulho, que somos o setor base da economia brasileira. Reconhecemos que o novo governo em apenas quatro meses tem se esforçado e adotado medidas importantes e necessárias. Esperamos que este movimento continue”, disse na abertura Arnaldo Manuel de Souza Machado Borges, presidente da ABCZ.

Sem o presidente

A ausência do presidente Jair Bolsonaro (PSL) à abertura da exposição neste sábado frustrou pecuaristas.

Na quinta-feira (25), o Ministério da Agricultura divulgou agenda da ministra informando que Bolsonaro participaria do evento. No dia seguinte, em novo informe, o nome do presidente já não mais constava.

A presença era esperada porque, desde Getúlio Vargas (1882-1954), somente dois presidentes não estiveram na feira durante seus mandatos —não estão incluídos governos interinos.

Só não participaram da feira Eurico Gaspar Dutra e Jânio Quadros. Dutra governou o país entre 1946 e 1951, enquanto Jânio teve mandato relâmpago, entre janeiro e agosto de 1961.

Mesmo Michel Temer (MDB), que governou por pouco mais de dois anos, esteve na cidade —em 2018.
Em seu discurso, a ministra da Agricultura disse que Bolsonaro “fez força” para estar em Uberaba, mas não conseguiu.

O presidente visitou neste sábado a estudante Yasmin Alves, 8, na Cidade Estrutural, periferia de Brasília.
O presidente da ABCZ disse que o presidente foi bem representado pela ministra.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.