Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Para compor base aliada, Onyx defende abrir porta para dirigentes partidários

Bolsonaro receberá PSDB, MDB, DEM, PP, PSD, PRB, PSL, PR, PROS, Podemos e Solidariedade

Gustavo Uribe
Brasília

Há três meses sem conseguir formar uma base aliada, o presidente Jair Bolsonaro decidiu se envolver pessoalmente na articulação política para compor uma coalizão partidária que permita a aprovação da reforma previdenciária.

Criticado por uma articulação política frágil com o Poder Legislativo, ele abrirá o gabinete presidencial para audiências com onze partidos. Segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, agora é o momento de "abrir a porta".

"Para que tenhamos uma base constituída, precisamos dialogar, convidar e abrir a porta. É o que estamos fazendo", disse.

Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni
Presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni - Ueslei Marcelino/Reuters

Bolsonaro dedicará a quinta-feira (3), após retorno de viagem oficial a Israel, para encontros separados com os presidentes do PSDB, MDB, DEM, PP, PSD e PRB. A ideia é que a série de reuniões tenha continuidade na terça-feira (9) e na quarta-feira (10), quando receberá os dirigentes do PSL, PR, PROS, Podemos e Solidariedade.

Até a semana passada, o presidente vinha resistindo a participar da articulação política, em nome da chamada "nova política". Após protagonizar desentendimento com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), porém, foi cobrado pelo núcleo militar e pelo setor empresarial a ter uma presença mais ativa nas negociações.

"A disputa política ficou para trás. Agora, precisamos fazer a boa política, que é muito diálogo, compressão de parte a parte e unir todos os brasileiros", disse Onyx.

As audiências de Bolsonaro com dirigentes de siglas marcam uma mudança no discurso do presidente, que inicialmente havia determinado que o Palácio do Planalto só negociaria com frentes parlamentares, não com bancadas partidárias. 

A falta de uma coalizão parlamentar levou o governo a sofrer derrotas legislativas. Com o fracasso da estratégia, a Casa Civil iniciou uma aproximação com bancadas partidárias, o que inclui indicações para cargos de segundo e terceiro escalões e liberação de emendas parlamentares.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.