Dono da Centauro apresenta proposta para comprar Netshoes

Magazine Luiza havia comprado o site de artigos esportivos, mas operação dependia de aval do Cade e dos acionistas

São Paulo

Menos de um mês após a Magazine Luiza fechar acordo para adquirir o site de artigos esportivos Netshoes, a Centauro fez uma proposta para comprar a concorrente por um valor 40% superior ao ofertado pela varejista.

Em comunicado ao mercado, o grupo SBF, dono da rede de lojas de artigos esportivos Centauro, informou que apresentou uma proposta concorrente de US$ 2,80 por ação para aquisição da Netshoes.

 

A aprovação de compra de todas as ações representativas do capital social da Netshoes, por um total de aproximadamente US$ 87 milhões, foi unânime no conselho de administração na SBF, segundo o comunicado.

Às 11h30, as ações da Netshoes em Nova York tinham alta de 42,86%, cotadas a US$ 2,80. Por serem de valor baixo, os papéis da companhia tem movimentações de alta volatilidade.

A proposta do grupo dono da Centauro ocorre pouco menos de um mês após o anúncio sobre acordo entre Magazine Luiza e Netshoes, por cerca de US$ 62 milhões.

A operação de compra do site de artigos esportivos pela Magazine Luiza ainda dependia de aval de acionistas da Netshoes e também do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Conforme informou a coluna Painel S.A. desta quinta-feira (23), o Cade aprovou na quarta-feira a aquisição.

Antes de formalizar a venda no Brasil, a Netshoes se desfez da operação no México e da Argentina. Os dois países foram citados, na época do IPO (oferta pública inicial de ações, na sigla em inglês), como destino da aplicação dos recursos levantados na operação.

A Netshoes abriu seu capital na bolsa de Nova York em 2017, precificando suas ações em US$ 18. Na época, a empresa captou cerca de US$ 140 milhões com a operação.

A Netshoes foi fundada em 2000 como uma loja física de calçados em São Paulo, por Marcio Kumruian e Hagop Chabab. Com o fracasso nas vendas, o negócio migrou para a internet.

Além da Netshoes, o grupo tem ainda o varejo de moda Zattini e operava no segmento de suplementos alimentares a outros varejistas, negócio que foi encerrado no ano passado.

Com Reuters

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.