Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Para investidores em NY, brasileiros estavam muito otimistas com governo

Impasse entre Executivo e Congresso, manifestações e demora na retomada na economia preocupam analistas estrangeiros

Paula Moura
Nova York

Investidores e analistas estrangeiros afirmam que o mercado brasileiro apostou alto demais na velocidade dos resultados do governo Jair Bolsonaro (PSL). 

Impasses entre Executivo e Congresso em torno da reforma da Previdência, a mobilização na quarta-feira (15) contra os cortes na educação, a demora na retomada do crescimento e o desemprego crescente preocupam analistas e investidores —entre eles, investidores americanos que compareceram ao evento de dois dias do Itaú em Nova York.

Presentes à LatAm CEO Conference, encerrada nesta quinta-feira (16), que busca aproximar estrangeiros a empresas do Brasil, eles relataram que a empolgação aos poucos está começando a baixar.

Um analista de um grande fundo de investimento americano, que preferiu não se identificar, disse que os executivos brasileiros têm agora se mostrado mais preocupados e menos otimistas do que em relação ao início do mandato de Bolsonaro.

Segundo ele, porém, os brasileiros ainda não estão prontos para admitir que a economia regrediu.
 

Outro investidor, que também preferiu o anonimato, disse que já previa que a aprovação da reforma da Previdência iria demorar, mas acredita que vai prejudicar muito mais a economia se as novas regras ficarem para depois de setembro. Ele afirmou considerar os investidores locais mais voláteis.

Para Marcos Casarin, economista-chefe para América Latina da Oxford Economics, o estrangeiro não entrou na onda de otimismo com a eleição de Bolsonaro. Logo, a decepção foi maior para os brasileiros.

Da Cidade do México, Casarin disse que os estrangeiros, no entanto, não esperavam uma queda da atividade no Brasil. "Eu mesmo me surpreendi e minimizei o spillover [efeitos] da Argentina. As importações de manufaturados da Argentina diminuíram muito", diz.

Axel Christensen, chefe de investimento estratégico da América Latina do BlackRock, disse à Folha que os investidores vêm olhando com cautela não só o Brasil, mas a América Latina após eleições recentes.

A empresa participou do evento do Itaú. Baseado no escritório de Miami, ele, porém, não compareceu.

Christensen afirmou que a queda da atividade econômica do Brasil é uma preocupação. Esperava-se do país, segundo ele, uma recuperação mais robusta, uma vez que havia se encerrado uma recessão severa.

Ele espera que o receio seja temporário. “No fim do dia, as pessoas precisam fazer negócio e vão começar a investir de novo”, disse. “Quando a comunidade financeira se adaptar à nova situação, os investimentos que estão paralisados devem voltar.”

Christensen estacou atenção ao cenário internacional, com desaceleração após a crise de 2008 na China e em toda a América Latina. O Brasil, apesar desse contexto, disse ele, tem frustrado as expectativas.

Ao olhar para dentro do país, o cenário também é preocupante. O chefe de investimentos do BlackRock questiona como o governo vai ser capaz de pressionar o Congresso a aprovar sua agenda de reformas.

"Os investidores veem como um risco para o avanço da economia os problemas pessoais de Bolsonaro e as manifestações", disse, ao comentar as suspeitas contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e as milhares de pessoas que foram às ruas contra os cortes no Ministério da Educação.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.