Descrição de chapéu Previdência Governo Bolsonaro

Por Previdência, entidades farão ofensiva em redutos eleitorais de indecisos

Segundo levantamento, Pernambuco e Ceará apresentam o maior número de deputados resistentes à reforma no Nordeste

Brasília

Na tentativa de viabilizar a votação da reforma previdenciária, um grupo de entidades e empresários fará a partir do próximo mês uma ofensiva nas bases eleitorais de deputados indecisos ou resistentes à proposta.

O esforço, que incluirá debates e palestras, tem como objetivo reduzir a pressão regional sobre os parlamentares, em uma tentativa de convencê-los a se posicionar a favor da mudança no regime de aposentadorias.

A mobilização, que tem a participação de entidades como a Sociedade Rural Brasileira e o Instituto para Desenvolvimento do Varejo, é capitaneada pelo CLP (Centro de Liderança Pública), organização de formação de gestores públicos.

A pressão contra a proposta tem sido maior no Nordeste, cuja maioria dos governadores é de oposição ao governo. Segundo análise feita pelo movimento, os estados da região com o maior número de deputados resistentes são Pernambuco e Ceará. 

Audiência pública na Comissão Especial sobre a reforma da Previdência
Audiência pública na Comissão Especial sobre a reforma da Previdência - Pablo Valadares - 23.mai.2019/Divulgação/Câmara dos Deputados

Para tentar quebrar a resistência, será promovido em Recife, no final de junho, evento com lideranças regionais e com a participação do secretário-adjunto da Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

"A gente precisa que a sociedade se aproprie da reforma previdenciária e dê um suporte ao Congresso Nacional para que ele a aprove", defendeu à Folha a diretora de mobilização do CLP, Ana Marina de Castro.

No início do próximo mês, o grupo lançará em São Paulo e em Brasília uma frente em defesa à proposta, que contará com o apoio de cinquenta instituições, entre elas entidades dos setores da construção e do comércio, como a Câmara Brasileira da Indústria da Construção e a Confederação das Associações Comerciais do Brasil.

O esforço incluirá, além de eventos nas bases eleitorais, a abordagem a deputados indecisos, o acompanhamento do placar de votos e a produção de material para convencimento, como relatórios e vídeos para as redes sociais. 

Em movimento paralelo, na terça-feira (28), confederações patronais entregaram ao presidente Jair Bolsonaro documento se comprometendo a apoiar a proposta. O texto foi assinado por entidades como a CNI (Confederação Nacional da Indústria) e a CNA (Confederação Nacional da Agricultura).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.