Transporte de contêineres por trilhos aumenta 15% no Brasil

Alternativa ao carregamento rodoviário é liderada pela Rumo, que atende a 54% do setor

Ivan Martínez-Vargas
São Paulo

O volume de contêineres transportados por ferrovias cresceu 15% em 2018. O movimento pode ter sido influenciado pela tabela do frete, segundo Fernando Paes, diretor-executivo da ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários).

O número voltou a subir no ano passado após dois recuos seguidos devido à crise. Antes, cresceu entre 2012 e 2015.

“A insegurança do transporte rodoviário desde a paralisação dos caminhoneiros fez muitas empresas olharem alternativas, e as ferrovias são cada vez mais competitivas”, afirma Paes.

O tabelamento não é o único fator que explica a tendência, mas fez com que mais companhias considerassem o modal ferroviário, segundo ele. 

A retomada de crescimento do PIB e os investimentos realizados pelas concessionárias das ferrovias nos últimos anos, que reduziram o tempo médio das viagens, também devem ser levados em conta.

O transporte de minérios e grãos responde por cerca de 90% da demanda atual das ferrovias, mas grupos como MRS e Rumo têm dado atenção crescente às cargas em contêineres, segundo ele.

O uso do modal para importação e exportação, mais tradicional, tem sido complementado pela demanda crescente de transporte interno.

“Projetamos aumento de 30% no total de contêineres carregados neste ano”, diz Marcelo Saraiva, diretor comercial e de operações da Brado, marca da Rumo voltada a esse tipo de transporte. 

Dos 492,1 mil TEUs (medida-padrão de um contêiner de 20 pés) carregados em 2018 no país, a Brado foi responsável por 268 mil.

A marca transporta 61 tipos de produtos, de farinha a eletrônicos, de carne a cerveja. São atendidas hoje cerca de 160 empresas.

“A paralisação dos caminhoneiros abriu a cabeça dos usuários, mas a alta só foi possível devido aos investimentos que fizemos em infraestrutura desde 2017. Uma viagem de Rondonópolis (MT) a Santos (SP), por exemplo, durava 15 dias e hoje é feita em quatro dias e meio.”

A rota mais demandada para transporte doméstico de mercadorias é entre Campinas e Rondonópolis, diz ele.

O transporte interno é complementado por transportadoras, que fazem percursos de até 300 quilômetros no entorno da malha ferroviária da empresa para fazer cargas e descargas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.